quinta-feira, 25 de novembro de 2010

 
 
2010-11-25
 
 XII Encontro APEE da Amadora 
   
 A Federação das Associações de Pais do Concelho da Amadora (FAPCA) vai realizar no próximo dia 27 de Novembro de 2010, pelas 10:00h, no Auditório dos Recreios da Amadora (Av. Santos Matos, nº 2 2700 - 748 Amadora), o seu XII Encontro Anual com as Associações de Pais e Encarregados de Educação do Concelho da Amadora subordinado ao tema “Cidadania e Educação”. 
   
 Ver » 
   
 
2010-11-25
 
 Boletim Informativo - Semana 46 
   
 A Confap disponibiliza o Boletim referente à semana 46 com informações relevantes sobre educação, dirigido às Associações de Pais. Legislação publicada, iniciativas e programas disponiveis através dos respectivos “links” de consulta. Os boletins estão tambem disponíveis na página da rede. 
   
 Ver » 
   
 
2010-11-25
 
 Associações - Tomada de posse conjunta 
   
 No passado dia 19 de Novembro de 2010, pelas 21h00, no salão nobre da Junta de Freguesia de Rito Tinto, decorreu a tomada de posse das Associações de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento Vertical de Escolas de Rio Tinto (Gondomar). As seis associações do assumiram este desafio na sequência do trabalho conjunto que têm vindo a desenvolver. 
   
 Ver » 
   
   

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Associação Nacional dos Contribuintes Fiscais - Divulgação

Boa Tarde!


O meu nome é Ana Almeida.

Na qualidade de cidadã interessada e responsável, tomo a liberdade de vos contactar no sentido de fazer a seguinte divulgação:

 PETIÇÃO por uma ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CONTRIBUINTES FISCAIS, inhttp://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=ancf

Também sugiro a v/ visita ao seguinte blog:




Independentemente da simpatia ou até filiação partidária (eu não tenho nenhuma), entendo que qualquer cidadão responsável e que queira um futuro melhor para si e para os seus descendentes deve ser parte activa numa sociedade que se diz democrata, exercendo assim a sua cidadania.

Esta petição é dirigida aos contribuintes fiscais, por isso se (ainda ) não é contribuinte divulgue-a no seu círculo de relações.


Cumprimentos

Ana Maria Tavares de Almeida

sábado, 20 de novembro de 2010

O que é hoje a Família?
Enviado por Sexta, Novembro 19 @ 00:11:19 CET por Amaral


Familia
Há mais casais sem filhos, mais divórcios, mais agregados monoparentais. Há ainda os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos e os novos filhos que nascem do novo casal. Uma mãe e um pai, casados pelo civil e pela Igreja, com um ou mais filhos a viver na mesma casa: este conceito tradicional de família está a mudar. A pergunta impõe-se: O que é hoje a família? 

Passados cem anos sobre a primeira lei do divórcio em Portugal, hoje, por cada dois casamentos há uma separação. Ter filhos deixou de ser uma prioridade e há cada vez mais famílias monoparentais, avançou, há dias, a Pordata, base de dados estatísticos. 

Os números traçam o retrato com precisão: há uma média de 72 divórcios por dia em Portugal, contabilizou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Há 50 anos, a média era de dois por dia. Mas, ultrapassado o "boom" de separações depois da revisão da Concordata, em 1975. Hoje, verifica-se, ainda, um aumento de divórcios. Até ao dia 15 de Outubro do ano passado, houve cerca de 40 mil casamentos e 26 mil divórcios. São números do INE que, note-se, não incluem as separações de casais em união de facto, que são cada vez mais, avaliando pelos nascimentos de bebés, filhos de pais não casados. 

O conceito de família mudou. Segundo a Pordata, actualmente, os casais que optam por ter filhos são cada vez menos, uma tendência que confronta a tradição. Em Portugal, havia 2 224 100 famílias sem crianças em 2005. Três anos depois são 2 357 400 casais. A tendência é partilhada por toda a União Europeia (UE). Fruto da subida de divórcios, aumentaram, por sua vez, as famílias monoparentais em 2,6%, no nosso país, e 5,45% na UE dos 27, no mesmo intervalo de tempo. E, note-se, em 2008, registou-se 90,4% de mulheres portuguesas sozinhas com os filhos, uma tradição que promete não mudar. A descer nas estatísticas estão os casais com filhos: passaram de 27,3% para 25,8% no nosso país. 

O que pensam hoje as pessoas sobre o casamento e sobre a família? Por que há tantos divórcios? E por que subiu a procura da terapia familiar? Será a crise a única razão para a diminuição da natalidade? 

Prioridade: ser feliz custe a quem custar 

As amarras do casamento tradicional deixaram de existir. Valoriza-se a realização pessoal na procura pela relação e pela família perfeitas. 

Há cada vez mais divórcios e a tendência será para continuarem a subir, acreditam os sociólogos. Quer isto dizer que o casamento e a família estão em crise? Não. Quer dizer precisamente o contrário: "As pessoas não se divorciam por deixarem de acreditar no casamento. Dão, isso sim, um sinal de crença reforçada no casamento", defende o sociólogo da família Pedro Vasconcelos. "Rompem com uma família para ir à procura de outra", reforça a socióloga Engrácia Leandro. Nas sociedades modernas, o objectivo é ser feliz. 

Prova disso mesmo é o facto de muitas das pessoas que se divorciam procurarem novas relações e, muitas vezes, novas famílias. Segundo Engrácia Leandro, professora catedrática e investigadora do Centro de Investigação de Ciências Sociais da Universidade do Minho, "as pessoas colocam-se a elas próprias acima de tudo. É o processo incessante da busca da felicidade pela felicidade".

Ao contrário do que sucedia no passado (não muito distante, há algumas décadas atrás), em que "a vida estava programada de acordo com um modelo dominante de ideologia e moral familiar, hoje, a moral e a ideologia não são tão tradicionalistas. Há mais liberdade individual", explica Pedro Vasconcelos docente e investigador do Instituto de Ciências Sociais do Instituto Superior da Ciência do Trabalho e da Empresa (ISCTE) da Universidade de Lisboa. Com a modernidade veio a individualização e esbateu-se a rigidez dos papéis do homem e da mulher na sociedade e na família. 

Assim, segundo a ideologia actual, "valoriza-se mais a relação e não a instituição. A conjugalidade deixou de estar articulada com o casamento institucional. A formalização da relação passou a ser irrelevante. Em suma, o que é central é a relação" - frisa o sociólogo. 

Num processo de mudança de mentalidades muito lento, casar deixou de ser - na generalidade - uma forma de aceder a um determinado estatuto social, "independentemente da realização pessoal", continua o mesmo investigador. Contudo, ainda hoje são mais comuns os casamentos entre pessoas de condição social semelhante, por exemplo. 

Hoje valoriza-se mais a família 

Não obstante a contagem de um divórcio por cada dois casamentos, no ano passado, a docente da Universidade do Minho afirma, sem margem para hesitações, que "hoje, valoriza-se mais a família". Engrácia Leandro sustenta-se nos mais recentes inquéritos locais, europeus e até mundiais que colocam a família, quase sempre, em primeiro lugar. "Não é a família que está em crise", afirma a socióloga. "É o modelo tradicionalista de casamento", complementa o sociólogo da Universidade de Lisboa. 

No mesmo sentido, a socióloga Sofia Aboim declarou, esta semana, à Lusa, que "houve uma transformação profunda na forma como as pessoas concebem o casamento. Não já algo a que estão amarradas pelo peso da tradição, mas algo com que podem acabar se não se sentirem individualmente satisfeitas na relação".

Mas, defende Engrácia Leandro, "a família é o primeiro reduto de felicidade. É o lugar onde as pessoas são pessoas". Na família, as pessoas são o que são. Não são definidas pela sua profissão, pelo seu saldo bancário ou pelo número do cartão de cidadão. E "o conceito de família mudou muito profundamente. Ainda que não da mesma forma em determinados grupos sociais", acrescenta. 

Mulheres são mais sobrecarregadas 

O aumento de divórcios, entre outros factores, conduziu ao aumento de famílias monoparentais. São cada vez mais. Mas "já nos anos 40 (do século passado) Portugal tinha a maior taxa de filhos fora do casamento", recorda Pedro Vasconcelos. Invariavelmente, a tradição ainda é o que era no que diz respeito ao progenitor que fica com os filhos - a mulher. Já o homem, com menos encargos, tem maior facilidade em começar uma nova relação e criar uma nova família recomposta. "A mulher não tem tanta condição de entrar no mercado de casamento, porque é mais sobrecarregada com os filhos", confirma Engrácia Leandro. 

Da realidade das famílias monoparentais pode advir uma outra: o contributo para o aumento da pobreza em Portugal. No caso de, por exemplo, o pai deixar de contribuir financeiramente para a educação do filho, à guarda da mãe, gera-se uma família com mais dificuldades, mais pobre. 

Já as famílias recompostas que surgem com o desmembramento de outras famílias são ainda mais complexas. Há mais laços familiares para fortalecer: os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos, os novos filhos que nascem do novo casal. 

Há toda uma rede alargada de desconhecidos que passam a ser familiares com quem é necessário estabelecer uma ligação. 

Ética da privação fora de moda 

Nem todos os casais querem ter filhos. Aliás, aumenta o número de pessoas que não pretendem contribuir para o aumento da natalidade portuguesa. Neste âmbito, "são, sobretudo, as mulheres que sentem mais o peso do preconceito de escolherem não serem mães", ressalva o docente do ISCTE. 

Em nome da individualização e do conforto material, há quem não queira ter filhos, porque os filhos também representam despesa: na escolarização, depois no carro, mais tarde na entrada para a casa", acrescenta Engrácia Leandro. "A ética do sacrifício, da privação, ficou fora de moda".

Uma outra realidade é vivida pelos casais que querem ter filhos, mas não têm. Aí, defende Pedro Vasconcelos, "as pessoas sentem que não têm as condições necessárias para educar os filhos. Hoje, a educação é mais exigente". 

Não será, então, a crise económica um factor determinante na baixa natalidade em Portugal? Para o autor do artigo Famílias Complexas: Tendências de Evolução, publicado em Sociologia - Problemas e Práticas, nº 43, Pedro Vasconcelos, "a crise tem efeitos mínimos na questão da baixa de natalidade. As crises de hoje não são comparáveis com as de há 100 anos, em que havia mais fome. As de hoje podem causa flutuações ligeiras. A menos que, a pretexto da crise, haja alterações no estado social, no caso as medidas de apoio à natalidade diminuam e de forma persistente". Mas, destaca o sociólogo, "a maioria das pessoas quer ter filhos". Quer ter uma relação que lhe traga felicidade, quer formar uma família. 

Pronto-a-deitar-fora 

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, há uma procura crescente de casais que querem ajuda para evitar o divórcio. Um facto que traduz o empenho e o investimento das pessoas nas relações, levando-as ao ponto de investir tempo e dinheiro para salvá-las. 

"Os insucessos acontecem porque há um grande investimento nos sentimentos. E não há nada mais frágil do que os sentimentos", afirma a docente da Universidade do Minho. 

Mas nem todos os fracassos mereceram tanto empenho. "Hoje tudo é pronto-a-comer, pronto-a-vestir e pronto-a-deitar fora", acrescenta. O individualismo e a busca da felicidade pela felicidade ditam, muitas vezes, o final de casamentos e relações após poucos meses de convivência. Nas sociedades modernas, recorde-se, o objectivo é ser feliz. Por vezes, custe a quem custar. 

JN – 07-11-10


quinta-feira, 18 de novembro de 2010



 
 
 
 
   
        Conselho Geral da CONFAP
O Conselho Geral da CONFAP reuniu no passado sábado em Montemor-o-Velho com as Federações aí representadas, representantes de centenas de Associações de Pais de todo o País e onde declararam o seu apoio ao trabalho que o Conselho Executivo da Confederação tem levado a cabo junto de diversas entidades, bem como o que propõe a realizar junto do governo, tendo em vista chamar a atenção do País em geral e dos responsáveis políticos em especial, para o retrocesso nas políticas educativas que o próximo Orçamento de Estado pode vir a determinar, se se mantiverem os cortes que o mesmo prevê na área da Educação e na área social.


                   Comunicado

As Federações Concelhias e Distritais / Regionais da CONFAP, representadas no Conselho Geral da Confedração e representantes de centenas de Associações de Pais de todo o País, declararam o seu apoio ao trabalho que o Conselho Executivo da Confederação tem levado a cabo junto dos Deputados da Assembleia da República e da Comissão Parlamentar, dos Sindicatos dos Professores e das Instituições como a Cáritas, bem como o que propõe a realizar junto do governo, tendo em vista chamar a atenção do País em geral e dos responsáveis políticos em especial, para o retrocesso nas políticas educativas que o próximo OE pode vir a determinar, se se mantivere os cortes que o mesmo prevê na área da Educação e na área social.

Como ainda há dias os meios de comunicação social divulgaram, através da divulgação de um estudo coordenado pela Dra Manuela Silva, com os actuais apoios sociais Portugal tem 18% de pessoas pobres, sendo que sem acção social teria 4,2 milhões de pessoas pobres. Tal como os relatórios internacionais reconhecem – nomeadamente da OCDE – o País estava a evoluir no sentido certo e a comparar melhor com os outros países europeus. 


Em defesa da continuidade desse caminho a CONFAP em matéria da acção social escolar, reitera que no próximo Orçamento de estado deve existir uma claúsula de salvaguarda para que os alunos que perderam o 4º. e 5º escalão do abono de familia e cujo rendimento do agregado familiar não se tenha alterado continuem a ter o apoio da acção social escolar garantindo-se no OE o financiamento das autarquias e das escola para esse fim Pese a declaração da Srª. Ministra da Educação de garantir que no actual ano lectivo nada se alterará realtivamente à acção social escolar,  veio o reconhecimento de que, apesar disso, já há nas escolas crianças sem manuais escolares por dificuldades económicas das famílias.


Relativamente ao pessoal não docente, operacionais de acção educativa, foi reconhecida a insuficiência da colocação daquele pessoal no início do ano lectivo por parte das escolas tuteladas pelo ME por comparação com o que se passou nas autarquias que tinham assumido a contratação desse pessoal através dos contratos de execução. Neste caso só há registo de problemas na área regional de Lisboa. A CONFAP recomenda que se apliquem às escolas tuteladas pelo ME os rácios previstos na portaria 1049/A de 2008 transferindo para as mesmas a dotação orçamental adequada e criando os normativos que façam falta para o efeito.


Quanto aos psicólogos a CONFAP reconhece a importância que a estes é conferida pela Lei, nomeadamente na avaliação dos alunos, especialmente os alunos com NEE’s, reiterando na senda do recomendado pelos relatórios da OCDE que seja colocado, pelo menos um psicólogo, em cada agrupamento. Algumas associações de Pais poderão vir a aconselhar os Pais e Encarregados de Educação a não assinar os planos de avaliação e recuperação de alunos que frequentem escolas que não tenham tido nesses processos a intervenção desses psicólogos.


Relativamente às AEC’s Actividades de Enriquecimento Curricular, foram detectadas graves dificuldades de contratação de professores de Inglês e de Música.


No que concerne às actividades de apoio à Família – CAF - para conciliação da vida profissional com a vida escolar e familiar em que os alunos chegam à escola mais cedo que as actividades lectivas e têm que sair um pouco para além do término dessas actividades a CONFAP alerta que por consequência da entrada em vigor do Código Contributivo, através do Orçamento de Estado, as associações de Pais deixaram de ter condições para contratar professores e outros técnicos sociais de educação, deixando por essa via de poder garantir aquele serviço às Familias.


A CONFAP defende que o pessoal que as associações de Pais contratavam deverá ser destacado dos quadros de operacionais de acção educativa contratados pelos Agrupamentos/Municípios e ser conparticipado pelos Pais tal como está previsto na Lei de alargamento da educação pré-escolar, para a componente de apoio à Família alargando-se ao 1º Ciclo a aplicação daquele normativo.


No futuro,  havendo condições,  poderão e deverão as autarquias e o governo apoiar os alunos carenciados que necessitem da CAF tal como aliás já fazem alguns Municípios.


 
A CONFAP considera ainda que os transportes escolares estão a ser feitos de forma deficiente em muitas autarquias, pelo que este assunto deverá ser objecto de tratamento dedicado nas próximas reuniões que tiver com a ANMP  e o governo.


Foi ainda evidenciada a necessidade de tornar transparentes e de fácil escrutínio, os financiamentos das escolas do 1º Ciclo que são recepcionados nos Agrupamentos, nomeadamente em sede de aprovação de Relatórios e Contas no âmbito do funcionamento dos Conselhos Gerais, conforme prevê o DL 75/2008.


Foi ainda evidenciada a necessidade de nos actuais processos de agregação de agrupamentos escolares, as CAP’s cumprirem com zelo e respeito pela DL 75/2008 as funções que lhe estão confiadas nomeadamente no que à representação dos Pais e Encarregados de Educação diz respeito, desde logo fazendo eleger o Conselho Geral Transitório e garantindo a representação dos Pais por nível de ensino no grupo de trabalho a instituir para o trabalho dos Conselhos Pedagógicos, nomeadamente a integração dos projectos educativos e dos regulamentos internos. 


Foi finalmente evidenciada a necessidade de, nas actuais circunstâncias de exiguidade financeira do País,  estimular o trabalho em rede de  Escolas, nomeadamente com os Conselhos Municipais de Educação e redes locais de acção social; no actual enquadramento económico, mais do que nunca, é necessário confiar na capacidade das Escolas, regulamentando em conformidade com o DL 75/2008, a constituição de equipas multidisciplinares  através da possibilidade  de estabelecer parcerias e protocolos de assessoria técnica-pedagógica com instituições da comunidade em que se insere a escola. 


Na lógica de uma ética de critica construtiva e de uma ética de proposta que é sua,  consciente do momento delicado que o País atravessa, em matéria de finanças Públicas,  dos imperativos de redução do défice, mas também de qualificar os Portugueses no tempo próprio - o da frequência da escolaridade como garantia da educação universal, obrigatória e tendencialmente gratuita - em coerência com as linhas de orientação que a CONFAP teve na anterior legislatura, em apoio das políticas educativas que o actual orçamento pôe em causa, na forma como está elaborado, foi decidido subscrever os manifestos oriundos dos parceiros das comunidades escolares e educativas que contenham preocupações idênticas às que o Conselho Geral da CONFAP analisou, discutiu, aprovou  e, por esta forma, torna públicas.


Montemor-o-Velho, 13 de Novembro de 2010


O Conselho Geral da CONFAP
O Conselho Executivo da CONFAP


Na Imprensa:

Lusa / Público.pt - 13.11.2010
A Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP) decidiu hoje subscrever o manifesto de contestação aos cortes orçamentais na educação lançado pela FENPROF, revelou o seu presidente, Albino Almeida.

Confederação de Pais subscreve manifesto da Fenprof
Lusa / EDUCARE - 2010-11-15
'Em coerência com as linhas de actuação que a Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP) teve na anterior legislatura em apoio das políticas...




                      »» Página do Conselho Geral da CONFAP ««

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

 
 
2010-11-15
 
 AECs - Recomendações 2010/2011 
   
 A Comissão de Acompanhamento do Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º ciclo do ensino básico vem relembrar as principais recomendações a ter em consideração na preparação e desenvolvimento destas actividades. Circular nº 6/DGIDC/2010 
   
 Ver » 
   
 
2010-11-15
 
 Boletim Informativo - Semana 45 
   
 A Confap disponibiliza o Boletim referente à semana 45 com informações relevantes sobre educação, dirigido às Associações de Pais. Legislação publicada, iniciativas e programas disponiveis através dos respectivos “links” de consulta. Os boletins estão tambem disponíveis na página da rede. 
   
 Ver » 
   
 
2010-11-15
 
 Provas de Aferição e Exames Nacionais 
   
 Encontram-se disponíveis, para consulta, os relatórios nacionais das Provas de Aferição de 2009/2010. Encontram-se disponíveis, para consulta, as informações relativas aos exames nacionais dos ensinos básico e secundário referentes ao corrente ano lectivo 2010/2011 
   
 Ver » 
   
   

sábado, 13 de novembro de 2010

A mesmice das reuniões de pais e professores


Artigos de opinião
Não houve engano algum quanto ao título. Foi mesmice mesmo que eu quis dizer, como poderia ter qualificado como “chatérrima” ou mesmo “entediante”. O adjetivo é apenas um alerta para chamar a atenção do quanto temos que mudar a maneira de fazer as famosas “reuniões de pais e professores”, escreve a psicopedagoga brasileira Cybele Meyer, numa análise sobre o que se passa nas escolas do Brasil. Diferente ou igual ao que se passa em Portugal? Divulgamos, também, a opinião de um pai (do Brasil) sobre esta matéria muito actual. 

Você pode pensar: “a reunião de pais e professores da minha escola é diferenciada, pois aplicamos algumas dinâmicas com os pais, e para finalizar oferecemos comes e bebes”.

Mas não me refiro a esta inovação. Não é satisfatório saber que os pais comparecem à reunião porque vão se divertir participando das dinâmicas e ao final ainda vão ganhar um lanchinho. ” 

O que precisa existir como válvula propulsora da reunião de pais e professores é o interesse dos pais em participar ativamente da vida escolar do seu filho independente dele estar com problemas de aprendizagem ou de comportamento. 

Temos que propiciar uma caminhada lado a lado efetivando uma cumplicidade entre pais, alunos e professores. 

Há escolas que intimam a presença dos pais nas reuniões vinculando-a a entrega dos boletins. Estão agindo de forma anti-didática. Os pais não devem ser obrigados a ir, devem ir por vontade própria. 

Há também o professor que inicia a reunião exaltando o paradigma da família do século passado. Este tipo de procedimento é desestimulante e provoca uma sensação de incompetência dos pais. O professor deve respeitar e orientar o modelo de família de hoje. 

O que os pais realmente querem saber quando vão a uma reunião de pais e professores é como a matéria está sendo ministrada; qual o retorno do seu filho frente à didática utilizada; que recursos o professor está utilizando para ensinar e qual é o olhar do professor para cada um dos seus alunos. 

A família não quer mais o ensino massificado. Os alunos não devem ser encarados como uma multidão que caminha sem saber para onde. Cada vez mais necessitamos ser olhados como indivíduos e temos que saber qual a aplicabilidade do que está sendo ensinado. 

Esta visão se encaixa tanto para o aluno quanto para os pais. 

O pai tem que ter espaço para se manifestar. Ele tem que ser ouvido, pois sua dúvida pode ser a dúvida de muitos outros pais e é nesta ocasião que deve ser compartilhada. 

Ouvir o pai, além de ser muito importante gera uma motivação maior, pois ele se sente participante resultando na troca de ideias e esclarecimentos. 

Na verdade sabemos que os pais adoram participar da vida escolar haja vista que ao encerrar a reunião de pais e professores, muitos ainda continuam nas dependências da escola trocando experiências. Também podemos citar as festas organizadas pela escola. Quando esta requisita a participação dos pais, o resultado é sempre muito positivo. O que precisa acontecer é a escola abrir espaço para que a família entre. 

A maioria dos professores reclama que os pais estão cada vez mais transferindo para a escola a formação total de seus filhos. Ocorre que nada está sendo feito para propiciar a mudança desta realidade. Muito pelo contrário, a escola faz questão de manter os procedimentos antigos onde a presença dos pais era requisitada somente em casos de reclamações. Até hoje, se o aluno vai bem, o pai nunca precisa ir à escola. 

A bem da verdade, na história das escolas (*) nunca houve a participação ativa dos pais, resultante, no princípio, da maioria deles serem analfabetos ou terem pouca instrução. Por esta razão o respeito ao professor era imenso tanto por parte do aluno quanto da família, e a sua voz era tida como lei a qual ninguém contrariava. 

Foi da metade do século XX em diante que um número grande de pessoas começou a ter acesso à educação e formar famílias com grau de escolaridade, inclusive, de ensino superior. Foi por esta razão que se iniciou um clamor por parte dos professores frente a uma maior participação dos pais junto à escola. 

Ocorre que para que isto ocorra os pais têm que ser orientados. É a escola que precisa favorecer esta abertura para que os pais caminhem junto no aprendizado do seu filho. Eles não sabem como devem proceder. Já fui testemunha de pais que querendo ser atuantes na formação educacional do seu filho acabaram atropelando o professor e criando até uma situação de animosidade entre eles. Há pais que ao fazer o trabalho de casa junto com os filhos se acham no direito de cobrar uma nota melhor. 

Todas estas atitudes mostram como estão perdidos quanto a melhor maneira de ajudar seus filhos. Ninguém melhor que o professor para dar as coordenadas, e não há ocasião melhor do que a reunião de pais e mestres para orientá-los. 

A escola precisa disponibilizar informações que oriente e possibilite o envolvimento dos pais estabelecendo uma relação construtiva com a escola. 

A mudança deve começar pela disposição física da sala onde a reunião de pais e mestres será realizada. Assim como nas salas de aula, as carteiras devem ficar dispostas em círculo ou semicírculo, onde todos possam ver uns aos outros. Esta prática irá favorecer um entrosamento maior entre os pais, e dos pais com o professor principalmente, se ao iniciar a reunião estes forem estimulados a falar, cada um o seu nome acrescido de alguma característica sua, quando aluno. Esta apresentação fará com que todos se conheçam propiciando um ambiente descontraído. Em seguida o professor poderá iniciar a reunião tocando nos pontos principais, mas sempre priorizando a participação atuante dos pais. 

A reunião deve seguir como um delicioso bate-papo podendo, a qualquer momento, haver manifestações tanto de discordância quanto de dúvidas ou sugestões. 

As reuniões tradicionais normalmente iniciam com as regras que devem ser cumpridas pelos pais e alunos. Em seguida há o pedido de uma participação mais ativa dos pais na vida escolar dos filhos sugerindo que acompanhem diariamente a lição de casa bem como orientem em épocas de provas e nos trabalhos sugeridos. 

Ocorre que o pai irá atender este pedido provavelmente, durante a primeira semana. Da segunda semana em diante ele não se sentirá mais motivado a fazê-lo e justificará a sua não participação alegando que esta tarefa pertence ao professor. 

A motivação dos pais também tem que ser trabalhada constantemente e o professor para isto deverá conhecer muito bem a comunidade que atua escolhendo quais os assuntos que chamam mais a atenção das famílias. É justamente aí que a convivência entra como facilitador deste conhecimento. 

Deverá a escola abrir as portas aos pais conferindo valor e respeito à diversidade. Sabe-se de uma maneira geral que o ser humano adora compartilhar os episódios que fizeram parte da sua história. Pode-se tirar proveito da diversidade tomando conhecimento das curiosidades trazidas pelos pais: dos lugares onde moraram, das diferenças no linguajar, nos costumes, na culinária e das histórias típicas de cada região. Todas estas contribuições são de uma riqueza imensa e completamente motivadoras para os pais e consequentemente para os filhos. 

Então professores, vamos trazer os pais para dentro da escola e consolidar esta união de forças, que com certeza, quem sairá ganhando será principalmente o aluno. 

Vamos fazer de nossas reuniões de pais e mestres, reuniões onde a empolgação, a cooperação, a participação estejam sempre presentes nos professores, nos pais e nos alunos. 

(*) Nas primeiras escolas (séc. XVI) as aulas eram ministradas por jesuítas e existiam a serviço da fé. Mais tarde (séc. XIX), já ministradas por professores atuavam a serviço do Estado. Depois vieram os colégios internos (séc. XX), aonde os pais também não participavam ficando a formação de caráter e intelectual sob a responsabilidade das escolas, onde os alunos deveriam aprender o essencial para se tornarem cidadãos e saberem viver em sociedade. Depois surgiram além dos colégios internos, as escolas de períodos em que a figura do professor era central na escola e na comunidade sendo suas atitudes respeitadas e indiscutíveis. 

Cybele Meyer 



Reuniões de Pais e Professores

Jay Litvin (Brasil) 

(Nota: Este artigo contém críticas, não condenação. É dirigido aos professores e pais de – por falta de uma palavra melhor – crianças médias frequentando escolas médias. Não se destina àqueles que trabalham em salas de aulas superlotadas com grande número de crianças com problemas de aprendizado ou de comportamento, seja por motivos biológicos, neurológicos, sociais, familiares ou ambientais. Este artigo deveria ser lido dentro de um parênteses de admiração e gratidão por todos os professores que têm dedicado sua vida à educação de crianças – minhas e de outros. A todos eles, incluindo aqueles aos quais endereço minhas críticas, os meus agradecimentos.) 

Tenho comparecido a algumas reuniões com meus filhos nos últimos vinte anos. Dentre os comentários mais comuns que ouço estão: 

“Ele/ela não está correspondendo ao seu potencial.” 

“Se pelo menos ele tentasse mais, poderia melhorar.” 

“Ela não participa/escuta/presta atenção.” 

“Ele é inquieto e não pára no lugar.” 

“Apresento o material mas seu filho parece não entender, embora os outros na classe o façam.” 

“Já pensou em contratar um professor particular?” 

Raramente estes professores se vêem como tendo algo a ver com o desempenho escolar de meus filhos. A responsabilidade pelo fraco desempenho escolar (conforme a opinião do professor) recai basicamente em meu filho e/ou na minha mulher e eu. Saímos da reunião sentindo que não podemos fazer mais nada, exceto sentar com nossos filhos e ajudá-los com a lição de casa em todo o tempo livre, deles e nosso. Nós nos recriminamos por não sermos mais bem-sucedidos com eles, mais exigentes, mais severos, mais concentrados em seu futuro sucesso que na sua felicidade atual. De repente, seus passatempos e lazer parecem perversos e se afiguram como uma digressão de sua vida como estudantes, pela qual se preparam para serem membros úteis da sociedade adulta. 

Tenho a sensação, e às vezes isso é declarado pelo professor, que se os dez por cento no topo da classe está indo bem, então o professor vai bem. Obviamente estes professores pensam que se alguns dos alunos estão entendendo a matéria, é culpa dos outros não entenderem. 

E se esta falha não é o resultado da falta de empenho de meu filho, então deve ser falha de alguma deficiência no ambiente familiar, que exige intervenção externa – fora da sala de aula, fora do âmbito de responsabilidade do professor. 

Como sou uma pessoa provocativa, pergunto a estes professores: “bem, o que vocês poderiam fazer para ajudar meu filho a aprender melhor?” 

Esta pergunta sempre desperta um certo grau de choque ou descrença. Não sei ao certo se o choque é apenas por eu ter ousado fazer a pergunta, ou pelo fato de qualquer um poder pensar que o professor, e não o aluno ou sua família, é deficiente de alguma forma. Afinal, ele ou ela tem ensinado por anos, e muitos de seus alunos se saíram bem. 

Mas, estou também preocupado com aqueles que não são tão bem-sucedidos, os marginais. Não apenas porque um ou mais de meus filhos se enquadram nessa categoria uma vez ou outra em suas carreiras escolares, mas também porque conheço muitas crianças – filhos de amigos ou colegas – que, pelos padrões da escola ou do professor, parecem estar “indo mal”. 

E quanto a eles? Qual é seu destino? Estão fadados ao fracasso, se os pais não puderem pagar professores particulares ou escolas caras que atendam suas necessidades especiais? O que será deles se os pais não conseguirem transformar o ambiente doméstico em paraísos de erudição, de modo que seus filhos entendam de imediato e respondam à importância de prestar atenção e entender “a matéria”, independentemente de quão tediosa possa ser a matéria ou o professor, ou do quanto a atmosfera da classe possa ser aborrecida ou repleta de distrações? 

Faço esta pergunta porque, de forma geral, tenho filhos muito bons. São motivados, bem comportados (dentro dos limites das crianças normais), prestativos em casa, e em geral respondem a intervenção e estímulos positivos. Relacionam-se bem com adultos, embora eles, também, tenham seus padrões quando se trata de como reagem àqueles com quem se relacionam. 

E finalmente, faço esta pergunta porque parece-me que a responsabilidade pela educação é do professor. 

Minha filha falou-me recentemente sobre a diferença entre “educar” e “ensinar”. Perguntei a ela qual era a diferença, em sua opinião, e ela disse: Um professor está interessado naquilo que está ensinando; um educador está interessado nos alunos. 

Um professor, descreveu ela, é alguém que fica na frente da classe e dá “a matéria”. Um professor, disse ela, espera que os alunos simplesmente “entendam”. E se não o fazem, a culpa é das crianças. 

Um educador, disse ela, está olhando para o aluno, olhando para ver se ele entende ou não e, caso não entenda, tenta encontrar uma maneira de facilitar seu entendimento. Um educador, disse ela, entende que todas as crianças são diferentes, aprendem a velocidades diferentes e de maneiras diferentes, e então tenta encontrar uma maneira de ensinar seus alunos de forma que consigam entender. É como uma parceria, disse ela, não uma guerra ou competição. 

Adorei esta última frase: como uma parceria, não uma guerra ou competição. 

E isso certamente combina com aquilo que sinto nas reuniões da escola. Se meus filhos sentem algo parecido com o que minha mulher e eu sentimos naqueles encontros, então eles estão passando o dia sentindo-se culpados e envergonhados, criticados e deficientes. Isso não conduz ao estudo, creio eu. 

Outra coisa que sempre me mistificou e que me faz questionar estas reuniões escolares é que meus filhos parecem “desempenhar” de maneira diferente com professores diferentes. Um filho, por exemplo, estava terminando o primeiro ano e na última reunião de pais e mestres daquele semestre fui informado que ele simplesmente não conseguiria acompanhar os outros alunos no ano seguinte. Estava tendo muita dificuldade para aprender a ler e escrever. A professora não tinha conselhos ou soluções a oferecer. Fizera todo o possível. A falha estava no meu filho, no deficit de tempo passado com ele em casa. 

Por causa dessa reunião e da atitude crítica e desanimada que encontrei, tirei meu filho daquela escola e o coloquei em outra. Eu não podia arriscar que meu filho, quando chegasse aos sete anos, fosse rotulado como um “fracasso”. 

No ano seguinte ele estava lendo e escrevendo como um danadinho e o professor tinha apenas elogios para ele. Chegava a chamá-lo de “pequeno tsadic”. De repente, o garoto passara do fracasso ao sucesso, apenas trocando de professor e de escola. Meu filho, que não conseguia aprender a ler, agora passava seu tempo livre em casa lendo livros e revistas sem esforço. Então no ano seguinte seu horário escolar aumentou, e ele passou a ter um professor matinal e outro à tarde. O professor da manhã considerava-o o melhor aluno: atento, participativo, inteligente, bem comportado…

O professor da tarde achava-o preguiçoso, desatento, lento e desligado, uma descrição que considerei apropriada ao professor quando o conheci na reunião de pais e mestres. (desculpem-me, leitores, mas alguém precisa dizer estas coisas). 

Quando conversei com o professor sobre o relacionamento entre ele e meu filho, ele não sabia do que eu estava falando, nem por que aquilo faria qualquer diferença na capacidade de meu filho entender a matéria. Percebi como ele quase não me olhava nos olhos e perguntei-me se faria o mesmo com meu filho. 

Hmmmm

Um amigo meu disse-me que seu filho está tendo um ano assim-assim. Com alguns professores vai bem, com outros nem tanto. Após reunir-se com o professor e com o diretor, ficou resolvido que aulas particulares seriam a única solução para o menino. Seu pai, meu amigo, questionou a necessidade de professor particular, pois são apenas dez crianças na sala de aula. Era difícil para ele (e para mim) acreditar que com tão poucos alunos o professor não conseguia adaptar seu modo de ensinar às necessidades dos diferentes alunos. Mas, em resposta a esta pergunta, o diretor disse ao meu amigo que este professor era brilhante na matéria que estava ensinando, e a transmitia de maneira muito clara e sucinta. Era irrealista, disse ele, esperar que o professor adaptasse seu estilo para satisfazer as necessidades dos alunos acima da média, medianos, e abaixo da média.

Perguntei ao meu filho que está na mesma classe (um filho diferente daquele que mencionei acima) sobre o professor. Ele disse que o professor passa uma vez a matéria, espera que todos entendam, não revisa, e nunca altera seu tom ou ritmo de ensinar. Ele disse que os meninos mais inteligentes da classe não têm problemas, mas dois terços da turma estavam ficando para trás, incluindo ele. 

Bem, pensei, isso é interessante. O professor está deixando dois terços da classe para trás, e atingindo e ensinando cerca de três alunos em dez. Alguma coisa não me parece certa aqui, especialmente porque meu filho não estava entre aqueles três do topo. Ele não estava tendo o mesmo grau de dificuldade que o filho de meu amigo, mas estava tendo dificuldade suficiente para eu me preocupar. Meu amigo e eu decidimos falar juntos com o diretor, mas nada conseguimos. Nossas esposas convenceram-nos de que nenhuma intervenção mudaria a maneira de ensinar do professor, e encorajaram-nos a encontrar um professor particular para os meninos. 

Entra em cena o professor particular. 

Após algumas aulas, telefonei para perguntar como meu filho estava se saindo. Maravilhosamente, disse ele. É muito inteligente e aprende a matéria com facilidade. O que mais impressionou o professor particular foi o nível das perguntas que meu filho fazia e seu desejo de aprender e entender. 

Quando perguntei ao meu filho sobre isso ele disse: “Sim, é bem diferente da minha classe. Não consigo fazer muitas perguntas na sala de aula, e quando as faço o professor é sempre impaciente e faz-me sentir mal por ter perguntado, fica irritado porque o interrompi, então, parei de fazer perguntas.” 

Hmmmm. 

Devo reiterar que meus filhos em geral são crianças inteligentes e bem sucedidas. Têm muitos interesses. Lêem constantemente. São todos, à sua própria maneira, curiosos e adoram aprender coisas novas. Saem-se bem à mesa do Shabat, lendo a porção semanal da Torá ou falando sobre muitas coisas de modo a captar o interesse dos pais, irmãos e convidados. São também ousados, cheios de energia, e gostam muito de rir. 

Porém, no decorrer de seus anos escolares cada um deles, uma vez ou outra, provocou uma reunião escolar ou alguma experiência como a que acabo de descrever. E sempre, nas horas de dificuldade, a culpa recai sobre os ombros das crianças, enquanto os professores continuam a ensinar a matéria e levar a classe da mesma maneira, cuidando das dificuldades de meus filhos pelo método de destruir sua auto-estima e auto-imagem com culpa, insulto e críticas. 

Admito que tenho preconceitos. 

Acredito que as crianças têm o desejo inato de serem bem sucedidas. Acredito que as crianças são curiosas e querem aprender. Acredito que desejam que sua experiência escolar seja positiva e agradável. Acredito também que crianças são crianças. Ficam inquietas quando estão entediadas e às vezes mesmo quando não estão. Precisam se mexer mais que os adultos gostariam. Não conseguem tolerar o tédio, nem a injustiça ou hipocrisia. Estão dispostos a dar respeito, mas também precisam receber algum e, como a maioria das pessoas, reagem mal quando o respeito é exigido deles, e o dão de boa vontade quando é conquistado e merecido. 

Como a maioria das pessoas, as crianças são gentis quando tratadas gentilmente, e bem comportadas quando os outros se comportam bem com elas. Como a maioria das pessoas, não reagem bem a críticas ou julgamento, especialmente quando são injustos. Como a maioria das pessoas, reagem bem a elogios e encorajamento, a pessoas que os ajudam a manter uma auto-estima positiva, ao contrário daquelas que os fazem se sentir idiotas e fracassados. 

E mais que a maioria das pessoas, a imaginação das crianças deve ser capturada se queremos que prestem atenção e aprendam. Elas precisam também acreditar que são queridas por aqueles que esperam seu bom desempenho. Este carinho deve ser demonstrado pela atenção individual que recebem, uma atenção que respeita seu nível de inteligência, seus sentimentos e sua capacidade, por causa de sua natureza inata de entender algumas matérias e ter dificuldades com outras. 

Não estou culpando apenas os professores nem estou deixando de fora as crianças e os pais. Sou severo com meus filhos quando se trata de respeitar os professores, independentemente da opinião negativa que possam ter sobre eles. E minha mulher e eu constantemente nos esforçamos para enfatizar as melhores qualidades dos professores e a importância de aprender as matérias que eles ensinam, e do bom comportamento na escola. Acreditamos que há modelos de comportamento e decoro aos quais nossos filhos devem aderir, não importa se gostam ou não gostam, não importam suas opiniões ou o tédio. E nossos filhos geralmente reagem bem a nossas admoestações e conselhos. 

Porém no fundo do meu coração, especialmente depois dessas infames reuniões escolares, creio naquilo que minha filha disse: que a escola deveria ser uma parceria, e numa parceria a responsabilidade é compartilhada igualmente. A criança vê aquilo que pode fazer melhor, os pais vêem aquilo que podem fazer melhor; e o professor olha para aquilo que pode fazer melhor. E o diretor vê o que todos podem fazer melhor juntos. Ele é o especialista e decide como organizar melhor as classes, como ajudar um professor a se relacionar com cada um dos alunos em sua sala. A meta conjunta deles todos – nós todos – é encontrar uma maneira que permita a cada criança ter sucesso na escola, sendo que sucesso deve ser definido como aprender, sentir-se bem consigo mesmo, comportar-se de maneira respeitosa e desfrutar a infância. 

Neste ambiente, seja na sala de aula ou na reunião de pais e professores, um tipo diferente de diálogo aconteceria. Um diálogo não concentrado em falhas, culpa e deficit, mas em melhoras, encorajamento e vantagens. Neste ambiente – e eu estive neste tipo de ambiente escolar, também – não somente os alunos são elogiados e encorajados pelos professores, como também os professores são louvados e encorajados pelos alunos e seus pais. 

Jay Litvin

Fonte: 
http://educaja.com.br/2010/11/reunioes-de-pais-e-dinamicas.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+educarja+%28Educar+J%C3%A1%21%29

Nota: Grafia segundo as novas regras do Acordo Ortográfico.

DOCUMENTOS DA APEE - AFGC

LIVROS NEE

Associação de Pais e Encarregados de Educação

RECOMENDAÇÕES DA GRIPE A

Video