sábado, 31 de janeiro de 2009

“Os novos Papéis dos Pais na construção de uma Escola de Qualidade”


CONVITE

I SEMINÁRIO 09

Protocolos de Colaboração - Cerimónia de Assinatura

Organização Conjunta: FRAPAL/DREAlg

07.02.09- FARO


A FRAPAL, Federação Regional das Associações de Pais do Algarve neste início do ano de 2009 e segundo período lectivo, saúda todos os Pais e Encarregados de Educação, seus Filhos e Educandos, Professores, Funcionários e restante comunidade educativa, e fazendo votos de muito sucesso, convida-vos para participar no I Seminário 09, subordinado ao tema “Os novos Papéis dos Pais na construção de uma Escola de Qualidade”, uma Organização Conjunta da FRAPAL com a Direcção Regional da Educação do Algarve, bem como para a assinatura de Protocolos de Colaboração entre a DREAlg, a FRAPAL e Autarquias do Algarve, a ter lugar no próximo dia 7 de Fevereiro, sábado, pelas 9.00h, no Auditório da Escola Superior de Saúde, em Faro, cujo Programa se anexa.
A FRAPAL cumpre assim a sua linha de acção, chamando mais uma vez o Movimento Associativo de Pais ao envolvimento, à participação, à intervenção, ao debate e discussão da Educação como uma Responsabilidade e tarefa de todos.
Conscientes de que o papel dos Pais na Escola, na promoção de uma Educação de qualidade é essencial e imprescindível, pugnamos para que essa realização possa ser cada vez mais informada, esclarecida e eficaz.Nestas circunstâncias, conjuntamente com a Direcção Regional da Educação, elaborámos um Protocolo de Colaboração, a envolver igualmente as Autarquias do Algarve no financiamento a acções de formação que pretendemos desenvolver no Movimento Associativo de Pais, dirigidas às Associações de Pais, representantes de pais nos Órgãos das Escolas, Conselho Geral Transitório, Conselho Pedagógico, representantes dos pais nas turmas e para todos os pais que tenham assento noutras entidades ou organizações, Conselhos Municipais de Educação, Conselhos Municipais de Segurança, Comissões de Protecção de Crianças e Jovens, Rede Social Local.
O referido Protocolo tem como finalidade dinamizar uma relação de proximidade e de colaboração entre as Escolas do Distrito de Faro de todos os níveis de ensino, os Pais e os seus órgãos representativos e as autarquias locais, sob o alto patrocínio da Direcção Regional do Algarve, tendo em vista o desenvolvimento de acções conjuntas favoráveis à promoção do sucesso educativo dos alunos desta região e de uma melhor e mais eficaz Escola e Educação.Este é pois um momento alto do Movimento Associativo de Pais, para o qual todos vós contribuístes, pela vossa participação e confiança, cada vez mais crescentes.
A todos o nosso muito obrigado e bem hajam por todo o empenhamento na construção de uma Escola de Qualidade.
Engrandecendo o Movimento Associativo de Pais, do qual honradamente fazeis parte, agradecendo toda a vida que tendes dedicado à causa dos nossos filhos, das nossa crianças e jovens, com todo o respeito e maior reconhecimento, subscrevemo-nos, com a mais elevada estima e consideração.
Pela FRAPAL
Presidente Ana Vidigal
««FRAPAL-FEDERAÇÃO REGIONAL DAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS DO ALGARVE,
Apartado 2310-8200 Albufeira,
Tlm. 968121167-968334083,

O Programa Media Smart nas Escolas Portuguesas


Longe vai o tempo em que à Escola se pedia apenas que ensinasse os alunos a “ler, escrever e contar”, no sentido mais restrito desses termos.
Hoje, aquilo que se lhe pede é bem diferente. Pede-se-lhe que encare os seus alunos como cidadãos de corpo inteiro, e para isso, que a sua formação assente na compreensão do mundo e da sociedade em que vivem, para nela poderem intervir de modo mais informado, seguro, crítico e responsável.Ambição com longa história, esta visão alargada do papel da Escola ganha maior e mais generalizada força com o famoso relatório de Jacques Delors, realizado para a UNESCO, e publicado em 1996, sobre a Educação para o século XXI.
Postulando que a educação de cada indivíduo assenta em quatro pilares fundamentais – aprender a conhecer; aprender a fazer; aprender a viver com os outros; e aprender a ser – a comissão responsável pelo relatório considera que a educação deve surgir como “um processo permanente de enriquecimento dos conhecimentos, do saber fazer, mas também e talvez em primeiro lugar, como uma via privilegiada de construção da própria pessoa, das relações entre indivíduos, grupos e nações”.
Em suma, o que se pede hoje à Escola é que enquadre as aprendizagens instrumentais básicas num processo mais global, que é o da formação de um cidadão esclarecido, de pleno direito, capaz de entender o mundo, de o reinterpretar, de tomar opções e de intervir sobre ele de forma própria e responsável. Mas à Escola – lugar alvo, hoje, de tantos e tão exigentes pedidos – também se pede que trace, ela própria, o seu caminho, que encontre os melhores meios, que adapte programas e saiba gerir recursos próprios e da comunidade, para cumprir tão ambiciosos objectivos. Que ela própria, promotora de autonomia, seja mais autónoma na procura de respostas para a complexa e abrangente missão que lhe cabe na formação desse cidadão idealizado. É na confluência destas duas perspectivas que se enquadra o Programa Media Smart.
Enquanto Programa de literacia para a publicidade, o Media Smart constitui-se como um precioso instrumento pedagógico de domínio de uma linguagem com enorme alcance e influência sobre a vida das crianças e jovens actuais. Com ele se pretende que as crianças e jovens “desenvolvam competências para uma correcta interpretação das mensagens publicitárias”, comerciais ou não; adquiram “ferramentas que as ajudem a compreender e interpretar a publicidade” e, sobretudo, “desenvolvam o seu sentido crítico em relação a essas mensagens, reforçando a sua capacidade de análise e desconstrução das mesmas”.
Roberto Carneiro, Presidente do Grupo de Peritos que apoia a implementação do Programa em Portugal, aquando do seu lançamento, referia que “a publicidade torrencial, intrusiva, que invade o quotidiano da criança e do adulto é matéria que não pode continuar a ser ignorada na reflexão crítica que a escola quer – e deve – levar a cabo sobre a cidade contemporânea”. Assim, “todo o investimento na escola e numa educação cidadã, verdadeiramente empenhada na formação de cidadãos livres, capazes de realizar escolhas criteriosas, com sentido crítico sobre a vida da cidade, dotados de competências básicas de interpretação autónoma dos fenómenos da complexidade comunicacional, numa sociedade cada vez mais mediática, tem de ser prioritário”. Do ponto de vista “institucional”, trata-se também de um programa inovador entre nós. Desde logo, na sua origem: o programa surge da iniciativa da “sociedade civil” e das suas organizações – no caso a Associação Portuguesa de Anunciantes.
Surge, portanto, como um programa de “responsabilidade social”, posto à disposição das escolas e professores que a ele queiram aderir voluntariamente e que o deverão adaptar ao seu próprio projecto e realidade (social e organizacional). Mas o Programa é, ainda, inovador na perspectiva dos métodos e das actividades que propõe, dos materiais que disponibiliza e das ligações a que faz apelo (em especial, o apelo à participação dos Pais e abertura à comunidade e à vida real, para além da escola).O Media Smart é, pois, um convite e um desafio lançado às escolas e aos professores. Mas é também, e simultaneamente, um precioso apoio e suporte para todos aqueles que queiram tomar em suas próprias mãos a difícil mas aliciante tarefa de contribuir para a formação das novas gerações na perspectiva apontada.
Tendo o programa por lema “Para um público esperto, um olhar mais desperto”, tenhamos a consciência e convicção de que, ao contribuirmos para a criação de “públicos cada vez mais despertos”, estaremos também a contribuir para ter, socialmente, “olhares cada vez mais espertos”.
Manuel Rangel, Professor e Especialista em Ensino Básico

CATAVENTO - JARDIM DE INFÂNCIA




ESCOLA DE PAIS: 'QUARTO PRÓPRIO - A IMPORTÂNCIA DE TER UM ESPAÇO SÓ SEU'

30 de Janeiro 2009
Das 20h30m às 22h
Passar do quarto dos pais para um quarto separado é um grande passo no caminho da independência! Muitos pais adiam a mudança, mesmo sabendo que a habituação pode trazer problemas.
Participação é gratuita sujeita a inscrição prévia Actividade dinamizada pelo Prof. Dr. Victor MoitaPsicólogo, Professor universitário.
Especialista em Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Clínica (crianças, adolescentes e jovens)
Av. Júlio Dantas nº 1023
Caparide – São Domingos de Rana
– Tel: 21 467 51 56

Como ajudar o meu filho a respeitar regras

Reportagem no “JORNAL DE CASCAIS” – Edição de 09/12/2008
Prevenção nas escolas do ConcelhoContra o uso de drogas 'Coisas de todos nós'Para responder às preocupações de pais e encarregados de educações na área do con­sumo de substâncias psico-activas como álcool, cannabis e drogas sintéticas, entre outras, está em curso o projecto 'Coisas de todos nós'. Uma parceria entre a Câmara Municipal de Cascais (CMC) e diversas enti­dades que procura desenvolver um traba­lho preventivo com os agentes educativos, na escola e espaços comunitários.
Promover uma intervenção em rede que envolva a co­munidade educativa concelhia e incrementar um tra­balho de prevenção e informação contra o uso das drogas nas escolas do concelho com todos os intervenientes, é o principal objectivo do projecto. 'Coisas de todos nós' traduz-se na realização de diversas acções dinâmicas, onde todos são convidados a participar e onde a opinião de cada um conta. O projecto está a ser promovido durante o presente ano lectivo pela Federação das Associações de Pais de Cascais em parceira com a CMC, a Fundação Portuguesa para o Es­tudo Prevenção e Tratamento das Toxicodependências, Agrupamentos e Escolas e o Ministério da Educação.
Em dis­cussão nas sessões a realizar nas várias escolas do concelho - já iniciadas com a sessão 'Adolescência e Comportamen­tos de Risco', na Escola Salesiana de Manique - estão temas como a adolescência e o comportamento de risco, preven­ção das dependências, autonomia e responsabilidade, entre outros, destinados a pais e ncarregados de educação dos alunos dos 2.0 e 3.0 ciclos do ensino básico e ensino se­cundário. Nestas sessões enquadra-se o recurso ao teatro de inter­venção com a peça 'Sabes dizer não', para pais e encar­regados de educação de alunos do 3º ciclo e secundário, e 'Como ajudar o seu filho respeitar as regras', para pais e encarregados de educação dos alunos dos 2º e 3º ciclos do ensino básico.
Para pais com filhos mais jovens e edu­cadores de infância foi já realizada uma acção com recurso à técnica de teatro-debate onde a propósito da peça 'De pequenino é que se torce o pepino' foram debatidas ques­tões como os limites como agentes preventivos, o auto-con­trolo e autodisciplina da criança, a consistência dos pais, a linguagem da auto-estima, a comunicação entre pais e fi­lhos e saber lidar com a frustração.
CONVITE
A todos os Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas da Alapraia
É já na próxima semana o 2º evento ligado ao Projecto “Coisas de Todos Nós” na nossa Escola.
E este é dirigido aos Pais e Encarregados de Educação de todo o Agrupamento, ou seja, não só para os dos 2º e 3º Ciclos, como também para os do 1º Ciclo e do Jardim-de-infância.
Por isso, reservem umas horinhas do seu dia, na próxima 4ª feira, dia 4/02/2009, e venham à Escola da Alapraia às 19:00 hrs. debater o tema: “Como ajudar o meu filho a respeitar regras” Vão ver que vai valer a pena!
Estaremos a vossa espera…
A APEEA

O 2º CONGRESSO Gente Pequena, Grande Aposta

OS FILHOS! ONDE ESTÁ O MANUAL DE INSTRUÇÕES?
O 2º Congresso 'Gente Pequena, Grande Aposta - Os Filhos!
Onde está o Manual de Instruções?', apresenta um leque de oradores conceituados, de diversas especialidades nomeadamente, psico-pedagógicas, educativas e médicas nas áreas infanto-juvenis, que irão abordar temas relacionados com a infância e adolescência de forma a dar respostas aos pais, encarregados de educação, educadores e profissionais, que trabalham com crianças e jovens adolescentes, sobretudo em como lidar com uma geração cada vez mais cibernéctica e sob o síndrome “Morangos com Açúcar” ou o “Rebelde Way”.
Fazer crescer saudável e feliz é cada vez mais difícil, nos dias de hoje, pois vivemos num quotidiano cada vez mais complicado, stressante e a uma velocidade estonteante.
Os pais com o dia-a-dia preenchido pelo trabalho e sujeitos a outras solicitações, em confronto com a vivência das crianças e dos jovens na “Aldeia Global”, lidando nomeadamente com a invasão dos meios informáticos e telecomunicações, em especial a internet, facilitando o seu acesso ao mundo em geral e ampliando as suas solicitações.
Esclarecer como intervir e prevenir problemáticas nesta população e neste contexto, vem optimizar o cumprimento do lema da associação “Mais vale prevenir do que remediar”.
O Congresso “Gente Pequena, Grande Aposta” pretende, de uma forma prática, dar respostas aos pais, encarregados de educação, educadores e profissionais, para que a prevenção “comece em casa”. Para além, é claro, de angariar fundos que permitem optimizar e alargar o trabalho de intervenção da associação no âmbito da prevenção.

Magalhães chega às crianças do ensino privado



Trezentas mil é o total de crianças inscritas, até agora, no programa Magalhães e já se deu inicio às inscrições de alunos, que nas escolas do ensino particular e cooperativo, estejam interessados em aderir ao referido programa.


Trata-se de um universo que pode abranger mais de 50 mil crianças. Até Fevereiro o Ministério da Educação espera ter concluído o processo de inscrição, em todas as escolas públicas e privadas. Em média, estão a ser entregues nas escolas cerca de sete mil computadores por dia, tendo já sido distribuídos um total de cerca de 120 mil computadores.


Estima-se que até à Páscoa o Magalhães chegue a todos os alunos do primeiro ciclo do Ensino Básico, cumprindo-se assim o Programa E-escolinha.


in: http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=1163

BOLETIM INFORMATIVO


Companheiros,


Segue em anexo o Boletim Informativo da legislação relevante na Educação, publicada em Dezembro de 2008.

Com os melhores cumprimentos,

Serviços Administrativos


― Decreto Regulamentar n.º 1-A/2009, D.R. n.º 2,Suplemento, Série I de 2009-01-05, do Ministério da Educação
Estabelece um regime transitório de avaliação de desempenho do pessoal a que se refere o Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 139-A/90, de 28de Abril.


― Decreto Regulamentar n.º 1-B/2009, D.R. n.º 2,Suplemento, Série I de 2009-01-05, do Ministério da Educação
Fixa o suplemento remuneratório a atribuir pelo exercício de cargos de direcção em escolas ou agrupamentos de escolas, bem como prevê a atribuição de um prémio de desempenho pelo exercício de cargos ou funções de director, subdirector e adjunto de agrupamento de escolas ou escola não agrupada.


― Despacho n.º 700/2009. D.R. n.º 6, Série II de2009-01-09, do Ministério da Educação ― Gabinete da Ministra
Altera o modelo de gestão do Plano Tecnológico da Educação.


― Despacho n.º 701/2009. D.R. n.º 6, Série II de2009-01-09, do Ministério da Educação ―Gabinete da Ministra
Dá continuidade ao Programa de Formação em Ensino Experimental das Ciências para Professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico.


― Despacho n.º 1022/2009. D.R. n.º 8, Série II de2009-01-13, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação
Nomeação do licenciado Nelson José Fonseca Matias para presidir à comissão permanente do programa TEIP2.


― Aviso n.º 1472/2009. D.R. n.º 10, Série II de 2009-01-15, do Ministério da Educação ― Inspecção-Geral da Educação
Abertura de inscrição para preenchimento de um posto de professor do 1.º ciclo para a secção portuguesa do ciclo primário da Escola Europeia de Bruxelas II, na Bélgica.


― Aviso n.º 1473/2009. D.R. n.º 10, Série II de 2009-01-15, do Ministério da Educação ― Inspecção-Geral da Educação
Aviso de abertura de preenchimento de um posto de educa-dor de infância para a classe portuguesa da educação pré-escolar da escola Europeia de Bruxelas II, na Bélgica.


― Despacho n.º 2285/2009. D.R. n.º 11, Série II de2009-01-16, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação
Estabelece o regime de exame do nível de iniciação das disciplinas de Inglês e Francês do ensino secundário.


― Despacho (extracto) n.º 2441/2009. D.R. n.º 12, Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho do Porto pela Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM).


― Despacho (extracto) n.º 2442/2009. D.R. n.º 12,Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho de Barcelos pelo Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.
― Despacho (extracto) n.º 2443/2009. D.R. n.º 12,Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho de Santo Tirso pelo CITEX -Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil.
― Despacho n.º 2444/2009. D.R. n.º 12, Série II de2009-01-19, do Ministério da Educação ― Gabinete da Ministra
Delegação de competências no Secretário de Estado da Educação, Doutor Valter Vitorino Lemos, para decidir acerca dos assuntos relativos à equipa de projecto, abreviadamente designada por REDESCOLAR.
― Portaria n.º 52/2009. D.R. n.º 13, Série I de 2009-01-20, dos Ministérios das Finanças e da Administração Pública e da Educação
Altera a Portaria n.º 356/2007, de 30 de Março, que estabelece a estrutura nuclear do Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação e as competências das respectivas unidades orgânicas.
― Despacho n.º 2563/2009. D.R. n.º 13, Série II de2009-01-20, do Ministério das Finanças e da Administração Pública ― Gabinete do Ministro
Tabelas de retenção no continente para 2009.
― Despacho n.º 2609/2009. D.R. n.º 13, Série II de2009-01-20, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação
Define a estrutura dos centros de formação de associações de escolas e a respectiva afectação de recursos humanos e financeiros.

― Declaração de rectificação n.º 137/2009. D.R. n.º13, Série II de 2009-01-20, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação.
Rectificação do despacho n.º 17 932/2008, de 24 de Junho.
― Declaração de rectificação n.º 138/2009. D.R. n.º13, Série II de 200-01-20, do Ministério da Educação― Gabinete do Secretário de Estado da Educação.
Rectificação do despacho n.º 18 041/2008, de 24 de Junho de 2008.
― Portaria n.º 57/2009. D.R. n.º 14, Série I de 2009-01-21, dos Ministérios da Economia e da Inovação, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação
Regula as condições de acesso, de organização e funcionamento, bem como a avaliação e certificação das aprendizagens dos cursos de técnicas de cozinha/pastelaria, de técnicas de serviço de restauração e bebidas e de operações turísticas e hoteleiras, integrados na oferta formativa promovida pelo Turismo de Portugal, I. P., ministrados pelas escolas de hotelaria e turismo.
― Despacho n.º 2869/2009. D.R. n.º 15, Série II de2009-01-22, do Ministério da Educação ― Gabinete da Ministra
Alteração ao despacho n.º 17 931/2008, de 23 de Junho.
― Portaria n.º 83-A/2009. D.R. n.º 15, Suplemento,Série I de 2009-01-22, do Ministério das Finanças e da Administração Pública
Regulamenta a tramitação do procedimento concursal nos termos do n.º 2 do artigo 54.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27de Fevereiro (LVCR).
― Despacho n.º 3006/2009. D.R. n.º 16, Série II de2009-01-23, do Ministério da Educação ― Gabinete daMinistra
Altera e republica o anexo XVI ao despacho n.º 16 872/2008,de 7 de Abril, que aprova os modelos de impressos das fichas de auto-avaliação e avaliação do desempenho do pessoal docente, bem como as ponderações dos parâmetros classificativos constantes das fichas de avaliação.

― Declaração de rectificação n.º 229/2009. D.R. n.º18, Série II de 2009-01-27,do Ministério da Educação― Secretaria-Geral
Declaração de rectificação à rectificação n.º 16/2009, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 3, de 6 de Janeiro de 2009.
― Despacho n.º 3536/2009. D.R. n.º 19, Série II de2009-01-28, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação
Define a calendarização relativa à realização das provas de exames nacionais e dos exames de equivalência à frequência dos ensinos básico e secundário.
― Declaração n.º 29/2009. D.R. n.º 21, Série II de2009-01-30, do Ministério da Educação - Secretaria-Geral
Em cumprimento do estipulado no artigo 1.º da Lei n.º26/94, de 19 de Agosto publica-se a listagem das transferências efectuadas pelos organismos do Ministério da Educação no 1.º Semestre de 2008.
― Boletim Informativo ― Resultado do Questionário
Pode ser consultado em:

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC

A CONFAP, em parceria com a Fundação para a Divulgação das Tecnologias de Informação (FDTI), realiza dosi tipos de cursos de formação em TIC direccionados aos pais e encarregados de educação, um de Iniciação, outro mais evoluído, com certificação de Competências Básicas em TIC.
Módulo I
Trata-se de um curso de 12 horas, a custo reduzido, constituído por formação em introdução ao Windows, Word e Internet, com certificação DCB (Diploma de Competências Básicas em Tecnologias de Informação – ao abrigo do DL 140/2001, de 24 de Abril). Por competências básicas entendem-se 'noções de ambiente de trabalho, tratamento de texto, navegação na Internet e utilização de correio electrónico'.

Módulo II

Para quem tem já conhecimentos elementares de ambiente de trabalho, tratamento de texto, navegação na Internet, e quer ampliar os seus conhecimentos para um nível superior, pode frequentar o curso do Módulo II, com duração de 20 horas cujo conteúdo pode ler nos seguintes anexos:
»» Consulte o Plano de Formação ««
»» Consulte o Folheto da Formação ««~

O que se pede às Federações:- Para esta formação, deverão as federações regionais/distritais e concelhias, candidatarem-se junto da Confap para coordenação das acções no terreno.
- Para a realização desta formação, as federações, em parceria com as associações de pais, têm de assegurar local para se realizar a formação, preferencialmente nas salas TIC das escolas.
O que se pede às Associações de Pais:
- Divulgar o programa junto da comunidade educativa e sensibilizar pais, encarregados de educação e suas famílias, em especial aqueles que se deparam com maiores dificuldades de acesso às TIC, ou poucos conhecimentos nesta matéria, para a obtenção do Diploma de Competências (para além de vantagens profissionais, incentiva ao desenvolvimento de novos conhecimentos em TIC);
- Garantir a disponibilização de instalações com equipamento informático;
(Nota: neste projecto poderemos fazer parcerias com outras entidades da comunidade educativa, caso de escolas e autarquias, nomeadamente, para se disponibilizarem graciosamente salas que disponham de computadores para a realização das acções).
- Recolher inscrições.
Compete à CONFAP e à FDTI:
- Calendarizar os cursos, em estreita ligação com as federações e/ou associações;
disponibilizar material didáctico, certificadores e/ou formadores e material pedagógico de suporte; ministrar a formação/certificação.
Os candidatos à formação beneficiarão das seguintes condições preferenciais:
a) Turmas reservadas e horários próprios;
b) Formação e teste de certificação.
Estão abertas as inscrições! Informa-te!
Caros Companheiros:
O artigo 24º dos “novos” Estatutos da Confap tornou possível efectuar as convocações para as Assembleias Gerais através de correio electrónico.Apesar de entender que não é prudente a utilização desta forma de convocatória nas próximas Assembleias Gerais (ordinária e eleitoral de 15 de Março de 2009), em virtude de esta ter sido aprovada apenas no dia 10 de Janeiro de 2009, penso que é muito importante que seja possível utilizar esta forma de convocatória o mais rapidamente possível.
Pelas razões expressas, para estas Assembleias foram ainda expedida via CTT as respectivas convocatórias:
ASSEMBLEIA-GERAL ORDINÁRIA
CONVOCATÓRIA
Ao abrigo dos artigos 22º e seguintes dos Estatutos da CONFAP, convoco a Assembleia-Geral desta Confederação, para a sessão ordinária a realizar no Hotel Quinta da Lagoa – Mira, pelas 10:00 horas do dia 15 de Março de 2009, com a seguinte ordem de trabalhos:
1. Ratificação da admissão de Novos Membros;
2. Apresentação, discussão e votação da proposta de alteração do Regulamento Eleitoral para entrar em vigor no próximo mandato;
3. Apresentação, discussão e votação do relatório, balanço e contas do mandato do actual CE da CONFAP e do respectivo parecer do Conselho Fiscal;
4. Apresentação das listas concorrentes às eleições para os órgãos sociais da CONFAP, para o mandato de 2009/2011, dos programas respectivos, planos de actividades e orçamentos;
5. Apresentação, discussão e aprovação de Propostas e Moções;
6. Leitura e aprovação da acta da presente reunião ordinária da Assembleia-Geral;
7. Apresentação dos resultados eleitorais e tomada de posse dos novos órgãos sociais eleitos.~Se à hora marcada não existir o quórum necessário para o funcionamento da Assembleia, ela iniciar-se-á trinta minutos depois, com os membros efectivos que se encontrem presentes.
Lisboa, 26 de Janeiro de 2009
O PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL
(Joaquim Adélio da Cunha e Castro)
ASSEMBLEIA ELEITORAL
CONVOCATÓRIA
Ao abrigo do artigo 1º do Regulamento Eleitoral elaborado nos termos do artigo 18º dos Estatutos da CONFAP, convoco a Assembleia Eleitoral da Confederação Nacional da Associações de Pais, a realizar no Hotel Quinta da Lagoa - Mira, pelas 10:00 horas do dia 15 de Março de 2009.Ponto único da Ordem de Trabalhos:
• Eleição dos órgãos sociais da CONFAP para o mandato de 2009/2011As urnas estarão abertas entre as 15:00 horas e as 17:00 horas. São as seguintes as datas relevantes para este acto:

ACTO
DATA
INTERVENIENTES

Convocatória
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009
Presidente da MAG
Afixação Caderno Eleitoral

Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009
Membros da CONFAP
Apresentação de Candidaturas

Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009
Candidaturas
Envio da Documentação para a AG Ordinária

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de2009
Presidente da MAG
Reclamações ao Caderno Eleitoral

Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009
Mesa da Assembleia-Geral
Apreciação das Reclamações ao Caderno Eleitoral

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009
Comissão Eleitoral
Apreciação Candidaturas

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009
Mesa da Assembleia-Geral
Prazo limite correcção de irregularidades Candidaturas

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
Comissão Eleitoral
Apreciação da Correcção irregularidades Candidaturas

Segunda-feira, 2 de Março de 2009
Comissão Eleitoral
Afixação Final do Caderno Eleitoral

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
Mesa da Assembleia-Geral
Afixação e Envio das Candidaturas

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
Comissão Eleitoral
Assembleia-Geral

Domingo, 15 de Março de 2009
Associadas
Lisboa, 26 de Janeiro de 2009
O PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL
(Joaquim Adélio da Cunha e Castro)
»» Convocatórias em formato impressão «« Os documentos vão sendo disponibilizados na Página da Assembleia Geral Menu 'Órgãos e Repres.'

Estatutos da CONFAP

Com as alterações introduzidas na Assembleia Geral de Revisão dos Estatutos, realizada em Vila Nova de Gaia, em 10 de Janeiro de 2009, os Estatutos da CONFAP encontram-se também disponíveis em formato de impressão 'Adobe PDF'.
Link à Página dos estatutos:
http://www.confap.pt/confap.php?pagina=estatutos


in: http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=1157

Critérios para a elaboração de itens do tipo verdadeiro/falso

Exames 2008/2009
A decisão foi tomada segunda-feira, dias depois de alunos, pais e professores se terem mostrado preocupados com a opção do Gave de, nos exames deste ano, substituir os itens do tipo “verdadeiro/falso” com oito afirmações (com cotação total de 10 pontos) por itens do mesmo tipo com quatro afirmações (com cotação total de 5 pontos), abandonando, simultaneamente, a definição de níveis de desempenho intermédios, isto é, bastama uma resposta errada para não obter cotação.
Informação do GAVE
No sentido de aperfeiçoar as provas elaboradas pelo GAVE - melhorando os elementos de avaliação que as integram - foi decidido substituir, a partir do ano lectivo 2008/2009, os itens do tipo 'verdadeiro/falso' com oito afirmações (com cotação total de 10 pontos) por itens do mesmo tipo com quatro afirmações (com cotação total de 5 pontos), abandonando, simultaneamente, a definição de níveis de desempenho intermédios.
Esta decisão baseou-se em estritas razões de ordem técnica, tendo havido a preocupação de garantir que o novo formato não tornaria as provas, no seu conjunto, mais fáceis ou mais difíceis, antes reduzindo os acertos devidos ao factor acaso.
Por outro lado, reconhece-se que quaisquer alterações - ainda que justificadas - de critérios na elaboração das provas, provoca apreensão nos estudantes, prejudicando por vezes, os que mais se esforçam. Assim, para reduzir os níveis de ansiedade dos alunos decide-se:
A . Nas provas a realizar no ano lectivo 2008/2009, os itens do tipo 'verdadeiro/falso' - a existirem - terão oito afirmações e serão classificados de acordo com níveis de desempenho idêntico ao que vigorou no ano lectivo precedente. As Informações-Exame serão alteradas em conformidade.
B. Durante o presente ano lectivo, os itens com quatro afirmações serão experimentados em Testes Intermédios. No final do corrente ano lectivo será efectuada a avaliação do comportamento deste tipo de itens, decidindo-se então a sua introdução nas provas do próximo ano.
Lisboa, 27 de Janeiro de 2009. Carlos Pinto-Ferreira
(Director do GAVE)
(o destaque e sublinhado é nosso)


in: http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=1153

Adopção de manuais escolares para 2009/10

Já se conhecem as disciplinas e os prazos em que haverá adopção de manuais escolares para o próximo ano lectivo.
No 12.º ano, serão adoptados manuais em todas as disciplinas dos cursos científico-humanísticos, com excepção de Português, Matemática A, Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais.
Também existirão novas adopções nos 2.º, 6.º e 8.º anos em Educação Moral e Religiosa Católica. O prazo de adopção de manuais escolares para as disciplinas e os anos de escolaridade referidos decorre de 04 a 29 de Maio de 2009.
A vigência da adopção de manuais escolares para o próximo ano lectivo deverá ser estabelecida a partir do novo enquadramento legal, que integra as normas necessárias para o período de transição.
Mais informações
1 – Dossier Manuais Escolares em:
2 – Legislação em:

Os professores em greve há um mês no Chile conseguiram que o governo desistisse do ridículo modelo de avaliação semelhante ao nosso. Já é oficial!

Os professores em greve há um mês no Chile conseguiram que o governodesistisse do ridículo modelo de avaliação semelhante ao nosso. Já é oficial!

Este modelo absurdo já só existe em portugal (sim, este país com letra pequena). Penso que está na hora de ponderarmos na necessidade defazer greve por tempo indeterminado e perdermos o amor a um mesito deordenado (não acredito que aqui seja necessário mais de uma semana ouduas, com os pais passados com os filhos em casa... e as eleições àporta... o governo tem de ceder!).
Já vários colegas me disseram que não podem passar sem o vencimento deum único mês, mas será que ponderam os milhares de contos que estamose vamos perder?
Para além dos cortes nas reformas? Não podem perder um mês de ordenado?
E se perderem o emprego? morrem no mês seguinte?
Não! Está na altura de fazer um pequeno sacrifício perante o que se avizinha! E um mês de ordenado é um pequeno sacrifício perante o que estamos na eminência de perder! Ponham os olhos no exemplo Chileno! Vamos ser a única classe profissional, no único país do mundo a viver este horror de avaliação,divisão artificial e castração na carreira? Abram os olhos! a greve por tempo indeterminado é cada vez mais a única saída para a queda completa deste modelo de avaliação.
Temos de espalhar esta ideia rapidamente, sobretudo agora que os sindicatos vão dar a luta por estagnada de novo e o modelo saiu em Diário da República obrigando a que as escolas façam a avaliação sob hipótese de despedimento dos avaliadores que se neguem a avaliar e processos disciplinares aos elementos do CE que não apliquem o modelo. E nem vale a pena que os colegas peçam para não ser avaliados, pois isso implica que não progridem garantidamente e isso é só o que interessa ao governo, pois querem lá saber da avaliação...
Colegas: ainda não avançamos nem ganhamos nada!Temos de endurecer a luta. Passem a palavra para alertar os colegas.
Se nada fizermos agora, dentro de 10 dias, como ratos, teremos entregue os objectivos individuais e estaremos a pedir para sermos avaliados um a um! com algumas heróicas excepções que serão prejudicados caso a caso facilmente pelo governo.
Não podemos ceder agora!

DGRHE ADMITE NÃO SER OBRIGATÓRIA ENTREGA DE OBJECTIVOS INDIV NEM HAVER PENALIZAÇÃO

MUITO IMPORTANTE LEIAM COM ATENÇÃO
DGRHE ADMITE NÃO SER OBRIGATÓRIA ENTREGA DE OBJECTIVOS INDIV NEM HAVER PENALIZAÇÃO

SINDICATO DOS PROFESSORES DA REGIÃO CENTRO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÃO AGRADECEMOS A DIVULGAÇÃO DESTE DOCUMENTO POR TODOS OS DOCENTES DA TUA ESCOLA OU AGRUPAMENTOMUITO IMPORTANTE!
SPRC
Quais as consequências legais e/ou de carácter administrativo da não entrega de objectivos individuais por parte dos docentes? (Questão colocada por escrito por 20 professores)
De: meducacao@min-edu.pt

Ex.mo Senhor Presidente do Conselho Executivo,

Em resposta à questão colocada na aplicação de perguntas e respostas sobre a avaliação de desempenho, informamos:
O prazo para entrega dos objectivos individuais deve estar definido no calendário aprovado pela escola. Nas situações em que esse prazo não seja cumprido, deverá o director/presidente do conselho executivo notificar o docente desse incumprimento, bem como das respectivas consequências, ou seja, o período sem avaliação, não será considerado para efeitos da evoluçãoda carreira docente.
No entanto, uma vez que, quando existe falta de acordo, prevalece a posição do avaliador, poderá o director/presidente do conselho executivo fixar os objectivos ao avaliado, tendo por referência o projecto educativo e o plano anual de actividades da escola.
Com os melhores cumprimentos
DGRHEO sublinhado é da nossa responsabilidade. Este documento (esclarecimento do ME) vem confirmar o que os Sindicatos da FENPROF sempre disseram, baseados nos seus Gabinetes Jurídicos. Se repararmos, mesmo quanto à fixação dos objectivos individuais pelos PCE, tal não é obrigatório, como é óbvio. A resposta proveniente do ME/DGRHE refere PODERÁ e não DEVERÁ. Fica, como não podia deixar de ser, à mercê da consciência do PCE/Director. Daí a importância de declararmos a suspensão do processo, escola a escola, agrupamento a agrupamento, com a não entrega dos objectivos individuais. Assumimos a nossa determinação e apoiamo-nos na nossa unidade. Dificulta a vida a quem quer quebrá-la. Bom Trabalho. A Luta Continua!
Nota importante:
se na tua escola ainda não suspenderam a avaliação, querem fazê-lo e precisam de apoio para a elaboração de um texto que seja coerente com as posições já assumidas, não hesites e contacta o SPRC/FENPROF.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Avaliação internacional das reformas do 1.º ciclo medidas introduzidas entre 2005 e 2008

O estudo sobre a reorganização do ensino no 1.º ciclo, realizado por uma equipa de peritos internacionais independentes, elogia as melhorias introduzidas neste nível de ensino, nos três últimos anos, apresentando recomendações para que as medidas continuem a ser desenvolvidas de uma forma positiva.
A CONFAP não pode deixar de remarcar que muitas das medidas levadas a cabo correspondem a exigências antigas do Movimento Associativo de Pais, conforme fez questão de declarar o companheiro Hermínio Corrêa, presente na apresentação do estudo, medidas essas, vertidas nas Conclusões do XXX Encontro Nacional (link) em Paredes de Coura em Março de 2005, no Manifesto para o Futuro da Educação em Portugal (link) de Janeiro de 2005 e no Manifesto sobre o 1º Ciclo (link) de Novembro de 2003.
A CONFAP remarca do mesmo modo que algumas recomendações do estudo estão presentes nesses mesmos documentos estratégicos do Movimento Associativo de Pais, prova da assertividade com que os pais têm acompanhado o desenvolvimento do Ensino em Portugal, conscientes do caminho e das políticas necessárias para o desenvolvimento da Educação e de Portugal.Solicitado pelo Ministério da Educação (ME), este estudo, intitulado “Políticas de valorização do primeiro ciclo do ensino básico em Portugal”, corresponde a uma avaliação intermédia, realizada durante a fase de implementação das reformas, com o objectivo de verificar se as medidas desenvolvidas estão a atingir os resultados previstos e se as estratégias adoptadas devem ser ajustadas em função da experiência.
Liderada por Peter Matthews, esta avaliação seguiu a metodologia e a abordagem que a OCDE tem utilizado para avaliar as políticas educativas em muitos países-membros, ao longo dos anos, com resultados positivos. O relatório salienta que as medidas desenvolvidas para a reorganização do 1.º ciclo já estão a produzir resultados na melhoria dos níveis de educação básica, com um impacto positivo na vida das crianças que frequentam este nível de ensino e dos respectivos pais.
Principais resultados
A decisão de encerrar as escolas do 1.º ciclo de pequena dimensão é considerada positiva pelos autores do estudo, que consideram os benefícios de apostar em melhores instalações e enquadramento social em escolas maiores superiores às desvantagens associadas às viagens realizadas pelas crianças. A introdução da escola a tempo inteiro é outra das medidas consideradas positivas, enquanto resposta às necessidades das famílias, implicando a substituição dos turnos duplos pelo horário normal.
Embora estas medidas ainda estejam em fase de concretização, o estudo salienta que as maiores mudanças a nível estrutural já foram levadas a cabo, existindo indícios de que os resultados no 1.º ciclo estão a melhorar e que os alunos têm acesso a um currículo de mais qualidade. O estudo refere de forma positiva o facto de as actividades de enriquecimento curricular proporcionarem aprendizagens complementares, nomeadamente Inglês, Actividade Física e Desportiva, Música e Estudo Acompanhado, mas chama a atenção para os casos em as actividades são desenvolvidas exclusivamente em contexto de sala de aula e recorrendo a métodos de ensino expositivos, semelhantes aos utilizados no currículo nuclear.
O modelo de formação contínua de professores nas áreas de Língua Portuguesa, de Matemática e do Ensino Experimental das Ciências é reconhecido como excelente, havendo indícios de que os resultados escolares estão a melhorar na Matemática, o que, segundo os autores do estudo, poderá ser consequência de melhores práticas de ensino nesta disciplina. A alteração das regras de gestão das escolas, designadamente no que respeita à eleição do director, é encarada de forma positiva, na medida em que permite uma escolha baseada no mérito profissional dos candidatos.
A recolha de informação actualizada pelo ME sobre a rede escolar, complementada pelo acompanhamento efectuado pela Inspecção-Geral da Educação, contribui para uma monitorização do modo como as medidas estão a ser concretizadas nos estabelecimentos de ensino. Apesar de reconhecer que a avaliação interna das escolas tem registado progressos significativos, o relatório recomenda a reintrodução da observação de aulas por parte dos inspectores, como meio de melhorar a avaliação externa, essencial para a melhoria do sistema educativo.
Recomendações Liderança dos agrupamentos
– Para assegurar uma gestão eficaz dos agrupamentos, é necessário seleccionar os líderes mais competentes, garantindo que possuem formação adequada para a função a desempenhar. Aumentar o sucesso escolar
– Além de dar continuidade às medidas já concretizadas e consideradas fundamentais para melhorar a qualidade do ensino, como a estabilização do corpo docente e a criação de equipas pedagógicas, o relatório recomenda a aposta na avaliação interna e externa, a eliminação da retenção no 1.º ciclo e a definição de critérios para 'boas aulas'.
Melhorar o regime curricular
– É considerada necessária uma maior autonomia na tomada de decisões a nível curricular, por parte das escolas, que deve ser acompanhada por um sistema de monitorização eficaz. Aconselha-se a diferenciação entre as actividades de enriquecimento curricular e o currículo formal, recomendando-se a inclusão do Inglês no currículo. Reestruturar o corpo docente das actividades de enriquecimento curricular
– O relatório defende uma maior equidade entre os professores efectivos e os contratados para as actividades de enriquecimento curricular, bem como uma utilização mais flexível dos professores existentes nos agrupamentos na realização destas actividades. Maior autonomia local – É valorizada uma maior autonomia das escolas, em articulação com os municípios, com a correspondente responsabilização dos diversos intervenientes no processo educativo.
Desenvolvimento da liderança e das capacidades de gestão
– Recomenda-se que seja proporcionada formação em gestão aos directores e aos membros dos conselhos executivos dos agrupamentos. Estabelecer uma cultura de avaliação
– A auto-avaliação e a avaliação externa das escolas são consideradas determinantes para melhorar a qualidade do ensino.
Neste contexto, defende-se a observação directa de aulas.
O estudo está disponível em:
Dossier Valorização do 1.º Ciclo (medidas) em: http://www.min-edu.pt/np3/84

Ano lectivo acaba mais cedo para os 11.º e 12.º anos

Um despacho da ministra da educação, ontem publicado no Diário da República, determina que, no presente ano lectivo de 2008-2009, o fim das actividades lectivas dos 11.º e 12.º anos é antecipado de 09 de Junho para 05 de Junho, dada a necessidade de o processo de exames estar concluído antes das férias de Verão.
Desta forma, conciliam-se os interesses das famílias dos alunos com os decorrentes da organização das escolas e do exercício do direito às férias dos diversos intervenientes nas actividades escolares.
Foram também considerados outros factores, como a celeridade do processo de acesso ao ensino superior e os constrangimentos que derivam das datas dos feriados nacionais.
Mais informações:
1 – Consultar o despacho n.º 2869/2009, publicado no Diário da República de 22 de Janeiro, em:
2 – Consultar o despacho n.º 17.931/2008, publicado no Diário da República, de 03 de Julho, em:

in http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=1147

PAIS COM LIVROS

A Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola EB 2,3 Dr. Pedro Barbosa, em parceria com a Biblioteca desta escola, vai realizar no período de 27 de Janeiro a 13 de Fevereiro de 2009, uma iniciativa designada “Pais com Livros” que terá como objectivos principais:
- dar maior visibilidade à biblioteca escolar e contribuir para a sua abertura à comunidade; - sensibilizar Pais e Encarregados de Educação para a importância do Livro e da Leitura na formação dos seus educandos e partilhar com alunos e professores o encantamento dos livros, a emoção da leitura e o prazer do encontro.
No âmbito desta iniciativa serão realizadas três actividades: § Pais a Partilhar – 27 Janeiro a 13 Fevereiro 2009 -Recolha de livros e vídeos oferecidos pelos Pais/Encarregados de Educação que serão doados à Biblioteca Escolar;
§ Pais a Ler – 10, 11 e 12 Fevereiro 2009 (Manhã e Tarde) -Pais e Encarregados de Educação disponibilizam-se para lerem excertos de livros, em várias salas de aula de turmas do 2º e 3º Ciclos; § Pais a Escutar – 13 de Fevereiro 2009 – 21 Horas – Num encontro na Biblioteca Escolar, Pais/Encarregados de Educação ouvirão os seus educandos falar de um livro que gostaram de ler.
Escutarão, também, um criador falar do seu trabalho e da relação com os livros e ainda alguns poemas ditos por outros pais e mães. Esta iniciativa, que contou com a colaboração de vários professores e da Livraria Pára e Lê (Vila Praia de Âncora), enquadra-se no Plano de Actividades desta Associação de Pais para o ano lectivo de 2008/2009, cuja actuação tem vindo a ser orientada para a promoção do envolvimento e participação de Pais e Encarregados de Educação na vida escolar e no acompanhamento mais eficaz da formação/educação dos seus filhos.

Projecto de programas de Português em discussão pública até 22 de Fevereiro


O projecto de Programas de Língua Portuguesa para o Ensino Básico (1.º, 2.º e 3.º ciclos) foi colocado em consulta pública pela Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) – ver:
Os pareceres deverão ser enviados para equipadeportugues@dgidc.min-edu.pt, até ao dia 22 de Fevereiro de 2009. A equipa de autores foi coordenada por Carlos Reis (ver currículos infra). Os pareceres resultantes da consulta pública serão analisados e entregues aos autores, para integração das correcções tidas por consensuais.
Informação de apoio
A revisão dos programas de Língua Portuguesa para o Ensino Básico surge integrada num conjunto de medidas tomadas para qualificar o ensino do Português (ver dossier Língua Portuguesa em http://sitio.dgidc.min-edu.pt/linguaportuguesa/Paginas/default.aspx).
Uma das mais mediáticas foi a Conferência Internacional sobre o Ensino do Português, que reuniu em Lisboa mais de 500 docentes e especialistas, em Maio de 2007 (ver http://www.dgidc.min-edu.pt/conferenciaportugues/home.htm).
As suas conclusões serviram de ponto de partida para uma discussão alargada em torno do ensino da língua e para delinear as linhas orientadoras da revisão que se pretendia encetar. A DGIDC convidou o comissário desta conferência, Carlos Reis, para constituir e coordenar a equipa que procedeu à revisão dos programas de Língua Portuguesa do ensino Básico. Foram também convidados vários consultores, entre os quais estão especialistas das várias áreas do ensino superior e docentes de Língua Portuguesa:
Ana Cristina Macário Lopes, Helena Buescu, Inês Duarte, Inês Sim‑Sim, Isabel Alçada, Isabel Margarida Duarte, Isabel Rocheta, José Augusto Cardoso Bernardes, Lídia Jorge, Luísa Álvares Pereira, João Costa, Maria Armanda Costa, Olívia Figueiredo, Rui Vieira de Castro e Vítor Aguiar e Silva.
Foram entregues à equipa de trabalho vários estudos, coordenados pela DGIDC, que contextualizam a realidade a que se destinam os programas, em termos de desempenho dos alunos, diagnóstico de dificuldades, posição dos docentes em relação aos documentos orientadores, perspectiva diacrónica dos programas de língua portuguesa no último século e estudo comparativo com outros países membros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico no que se refere ao ensino da língua de escolarização.
Todos estes estudos preparatórios estão acessíveis em:
Além dos membros individuais mencionados, o Conselho Consultivo integra também representantes da Agência Nacional para a Qualificação, das associações Portuguesa de Editores e Livreiros, Portuguesa de Linguística e de Professores de Português, da Confederação Nacional das Associações de Pais, do Gabinete de Avaliação Educacional, do Instituto Camões e dos Serviços de Educação Especial e do Apoio Sócio-Educativo.
Currículos dos autores do documento Carlos Reis (coordenador) é professor catedrático da Universidade de Coimbra. De 1998 a 2002 foi director da Biblioteca Nacional; foi presidente da Comissão para o Bicentenário de Almeida Garrett (1999-2000), da Comissão Nacional do Centenário da Morte de Eça de Queirós (2000-2001) e da Associação Internacional de Lusitanistas (1999-2001). É doutor honoris causa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, comendador da Ordem de Isabel la Católica, comendador da Ordem de Sant’Iago da Espada, sócio grande benemérito do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro e sócio correspondente da Academia Lusíada de Ciências, Letras e Artes de São Paulo. Em 1996 recebeu o Prémio Jacinto do Prado Coelho da Associação Internacional de Críticos Literários; em 2001 foi distinguido com o prémio Multimédia XXI, pelo CD ROM Vida e Obra de Eça de Queirós. Dirige a Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós e a História Crítica da Literatura Portuguesa. Publicou mais de uma dezena de livros, em Portugal e no estrangeiro (Espanha, Alemanha, França e Brasil). É reitor da Universidade Aberta.
Ana Paula Dias é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras de Lisboa, com pós-graduação em Estudos Portugueses pela Universidade Aberta e mestrado em Estudos Portugueses Interdisciplinares, pela mesma Universidade. É professora da Escola Secundária José Cardoso Pires, tendo sido orientadora de estágio para a Universidade Autónoma de Lisboa e para a Faculdade de Letras de Lisboa. Das obras que publicou destacam-se: Para uma Leitura de Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco (1996), Para uma Leitura do Auto da Índia, de Gil Vicente (1997), Para uma Leitura das Viagens na Minha Terra, de Almeida Garrett (1997), Para uma Leitura do Auto da Alma, de Gil Vicente (1999) e Para uma Leitura de Camões, Dona Branca e Romanceiro, de Almeida Garrett (1999). Assunção Themudo Caldeira Cabral é licenciada em Filologia Românica e mestre em Linguística Portuguesa Descritiva. Ao longo da sua carreira exerceu, entre outras, as seguintes funções, a par do ensino: orientadora pedagógica; coordenadora do grupo de trabalho «Escolas» do Projecto Minerva da Faculdade de Ciências de Lisboa; assistente do Núcleo de Avaliação da Universidade Aberta; colaboradora no Gabinete de Avaliação Educacional (GAVE); formadora da Malha Atlântica; co-autora de cursos on-line para professores do Secundário e do Básico «Navegar no Português», do DES-ME; orientadora e co-autora do projecto on-line «DIDATIC»; co-autora do CD A Cidade do Faz-de-Caso; consultora e/ou colaboradora em projectos da União Europeia que envolvem e-learning; integra também a equipa coordenadora do projecto GramaTICª.pt, da DGIDC.
Encarnação Silva é mestre em Linguística (especialidade Teoria do Texto) e professora adjunta da Escola Superior de Educação de Lisboa. Tem desenvolvido trabalho de investigação nas áreas da Linguística Textual e das Metodologias de Ensino da Língua Portuguesa no 1.º Ciclo do Ensino Básico. É autora de diversos artigos e comunicações nestes domínios. Possui também experiência de leccionação no 1.º e no 2.º Ciclos do Ensino Básico, bem como na formação inicial e na formação contínua de professores. Colaborou como consultora e formadora no projecto de formação de formadores de professores do ensino primário na República de Angola. É formadora de formadores no âmbito do Programa Nacional do Ensino do Português.
Filomena Viegas é licenciada em Filologia Românica, mestre em Linguística Portuguesa Descritiva e doutoranda em Didáctica – Linguística Aplicada. Professora de Português há 34 anos, é autora e formadora no domínio da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas ao ensino do Português. Foi também co‑autora dos cursos de ensino a distância para o ensino secundário Navegar no Português (1999-2002; Ministério da Educação), do CD ROM para Língua Portuguesa, 1.º ciclo, A Cidade do Faz-de-Caso (2004; Ministério da Educação), do Programa de Língua Portuguesa – Português (2005; Ministério da Educação) e dos Cursos de Educação e Formação da Agência Nacional para a Qualificação. Desde Setembro de 2006 é responsável pelo GramáTICª.pt, um e-espaço a funcionar no sítio da DGIDC do Ministério da Educação.
Glória Bastos é professora auxiliar no Departamento de Ciências da Educação, da Universidade Aberta. Tem o doutoramento em Estudos Portugueses, com uma tese sobre a literatura dramática para crianças. É coordenadora do Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares, na Universidade Aberta. Pertence ao Conselho Científico do Plano Nacional de Leitura e tem colaborado com o Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. A sua actividade de investigação tem privilegiado questões ligadas ao ensino da literatura, à problemática do livro infantil e às bibliotecas escolares, campos nos quais tem publicado vários livros e artigos, tendo igualmente sido convidada para participar em diversos colóquios e seminários.
Irene Mota é professora do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Possui especialização em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores e em Inspecção na Educação. Possui o grau de mestre em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores. Participou na equipa da formação do Território Educativo de Intervenção Prioritária e da Gestão Flexível do Currículo da escola de Marzovelos. Possui experiência na supervisão da prática pedagógica. É também formadora no âmbito do Programa Nacional do Ensino do Português no Agrupamento de Escolas de Marzovelos, em Viseu.
Joaquim Segura é licenciado em Línguas e Literaturas Modernas e concluiu a parte curricular do Mestrado em Literaturas Comparadas Portuguesa e Francesa. É professor da Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão onde foi assessor técnico‑pedagógico do Conselho Executivo, coordenador do Departamento de Línguas Estrangeiras, coordenador das Áreas Curriculares não Disciplinares e director de turma. Desenvolve actividades de formação no Movimento da Escola Moderna, associação da qual foi presidente. De 1995 a 2004 foi assistente requisitado da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas; de 1999 a 2005 integrou o Núcleo Executivo do Projecto Littera (Fund. Calouste Gulbenkian). É formador acreditado pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua. Publicou diversos artigos na “Revista Escola Moderna”. É co-autor do CD ROM Vamos Escrever – Projectos de Escrita Interactiva (Departamento de Educação Básica). Colaborou em: AMOR, Emília. (2004). Littera – Escrita, Reescrita, Avaliação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; NUNES, Irene F., ed. (2007). Horto do esposo. Edição crítica. Lisboa: Edições Colibri.
Mariana Oliveira Pinto é docente da área científica de português na Escola Superior de Educação de Viseu, desde 1996. Possui o grau de mestre em Supervisão Pedagógica em Ensino do Português pela Universidade do Minho e desempenhou funções na área da formação de educadores e professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico (formação inicial e formação contínua) e do 2.º Ciclo do Ensino Básico (formação inicial e orientação de estágio). Desenvolveu investigação nas áreas do ensino da leitura e da escrita e do ensino da gramática no 2.º CEB, sendo autora de várias publicações nessas áreas. Presentemente é formadora de formadores no âmbito do Programa Nacional do Ensino do Português do núcleo regional de Viseu.

in http://www.confap.pt/desenv_noticias.php?ntid=1150

Educação Especial avaliação externa da aplicação da nova legislação

O Ministério da Educação (ME) apresentou os especialistas na área da educação especial que irão proceder à avaliação da aplicação do Decreto-Lei n.º 3/2008, que define os apoios especializados a prestar nos diversos níveis de ensino aos alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente.
A equipa é dirigida por Rune Simeonsson e Manuela Sanches Ferreira (currículos infra). A avaliação é focada nos três eixos fundamentais do diploma – referenciação, afectação de recursos e organização da rede de respostas – e pretende responder a três questões centrais:
. como contribuiu a Classificação Internacional da Funcionalidade (CIF) para o processo de tomada de decisões?
. quais as dificuldades experimentadas na utilização da CIF?
. como pode a CIF ser usada para melhorar a avaliação e a intervenção com os alunos?
Para avaliar a utilização da CIF na identificação dos alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente, os métodos escolhidos consistem na análise documental, entrevistas, questionários e focus-grupo a pais, professores, órgãos de gestão da escola e outros intervenientes. O projecto visa também analisar os recursos e apoios existentes em ambiente escolar relativos à educação especial e a outros serviços relacionados, bem como proceder ao levantamento das atitudes e nível de conhecimento acerca da CIF. Os especialistas assumem, como objectivo central da sua concretização, a obtenção dos seguintes resultados:
. influenciar o pensamento dos diferentes agentes educativos acerca da educação especial;
. melhorar o Manual de Apoio à Prática em Educação Especial;
. preparar instrumentos com base na CIF para a avaliação e intervenção;
. apresentar recomendações que permitam a tomada de decisões no domínio das políticas educativas.
Mais informações – Currículo de Rune Simeonsson em
– Currículo de Manuela Sanches Ferreira em
– A aplicação da Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF) ao sector da Educação foi recomendada por um conjunto de cientistas, durante uma Conferência de Alto Nível realizada recentemente no Parlamento Europeu, para apresentação dos resultados da investigação feita no âmbito do projecto científico MHADIE (Measuring Health And Disability In Europe:
suporting policy development), em http://www.min-edu.pt/np3/2744.html.
– As comunicações apresentadas no Encontro Internacional sobre Educação Especial, organizado pela Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) em 07 de Junho último com 1700 participantes estão disponíveis em
– Dossier Educação Especial em http://www.min-edu.pt/np3/63
– Legislação sobre educação especial em http://www.min-edu.pt/np3/141.
Ex.mo(a) Senhor(a)Presidente do Conselho Executivo / Director Pedagógico

Junto se envia, em anexo, documentação do Centro Interpretativo do Passeio Geológico da Foz do Douro, solicitando a V. Ex.a a respectiva divulgação junto dos docentes dessa escola.
O referido Centro está dedicado ao visionamento de um Documentário sobre o Complexo Metamórfico da Foz do Douro e actividades experimentais, fundamentalmente dirigidas ao público escolar.
Para mais informações, poderá ser consultada a seguinte página:
ou recorrer aos seguintes contactos:
(CMP):228349490, ext. 1784
pgfd@cm-porto.pt
Com os melhores cumprimentos
Zeferino Lemos
Director de Serviços de Apoio Pedagógico e Organização Escolar
DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE
Passeio Geológico da Foz do Douro
A cidade do Porto possui o privilégio de ter no seu perímetro urbano um conjunto de rochas de grande valor científico e pedagógico. Efectivamente, não é muito comum existir em meio urbano uma fonte de ciência e de ensino tão rica e pedagógica como é o Património Geológico presente na foz do Douro.Após uma proposta apresentada pelo Departamento de Geologia da FCUP, em 2001, a Câmara Municipal do Porto aprovou, em Assembleia Municipal de 09.10.2001, a classificação do Complexo Metamórfico da Foz do Douro como Património Natural Municipal. Esta classificação veio contribuir para a consciencialização dos cidadãos sobre a importância de tal património.
Os afloramentos da Foz passaram de simples pedras sem significado para fonte de conhecimento e de histórias.Os afloramentos do CMFD constituem um laboratório natural onde a compreensão dos fenómenos e processos geológicos se torna mais acessível. Este é, sem dúvida, um local privilegiado não só para os alunos do Ensino Superior, mas também, para os alunos dos Ensinos Secundário, Básico e até Primário, particularmente importante para as escolas da cidade e um elemento de trabalho para os professores na sua área de intervenção.
Devido às características e potencialidades deste Património Geológico foi criado, em 2005, o Passeio Geológico da Foz do Douro – percurso outdoor, onde os visitantes podem observar um diversificado registo geológico que se encontra descrito nos vários painéis explicativos colocados. Podem, ainda, observar exemplos da fauna e da flora do litoral da cidade do Porto.
No final do ano de 2008 foi criado o Centro Interpretativo do Passeio Geológico da Foz do Douro constituindo um complemento às visitas guiadas. Este espaço está dedicado ao visionamento de um documentário sobre o Complexo Metamórfico da Foz do Douro e a actividades experimentais, fundamentalmente dirigidas ao público escolar.
O Passeio Geológico da Foz do Douro e o seu Centro Interpretativo constituem espaços de divulgação e promoção da Ciência potenciando o aumento e desenvolvimento da cultura científica e fomentando, em particular, o gosto e interesse pelas Ciências Geológicas,sensibilizando o público para as questões ambientais e para a preservação, valorização e conservação do Património Natural.
As visitas guiadas ao Passeio Geológico da Foz do Douro são gratuitas e realizadas por monitores do Departamento de Geologia da FCUP, devendo ser marcadas previamente através da Câmara Municipal do Porto.
Para mais informações, os interessados podem consultar a página Web do projecto:
Contactos (CMP): 228349490, ext. 1784 pgfd@cm-porto.pt
Nota: Aconselha-se o uso de calçado adequado, chapéu e protector solar.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

SOCIEDADE CIVIL

Caro Parceiro do Sociedade Civil,
O Sociedade Civil quer mais uma vez recordar que a vossa ajuda é preciosa. Lembre-se que este programa só pode construir-se e só faz sentido com a sua participação e os seus conhecimentos. Aqui vai em baixo a grelha da semana 127 a qual aguardo as vossas sugestões de convidados, perspectivas e ângulos de reportagens.
Lembramos também que existe uma agenda dos parceiros construída com base nos vossos eventos, conferências, acções de sensibilização, campanhas e efemérides. Envie-nos estas informações com a maior antecedência possível para que possamos marcar os apontamentos de agenda ou pensarmos em temas para futuros programas.
Não se esqueçam de enviar sugestões de temas que gostariam de ver abordados no Sociedade Civil. Mas enviem com a maior brevidade possível. Lembro-vos que agendamos temas com pelo menos com15 dias antes.
Segunda-feira, 02 de Fevereiro
Vem aí a lei do sal?
Já este ano foi entregue na AR, via PS, uma proposta de lei para regular a utilização de sal na confecção de pão e nos produtos pré-embalados. A proposta é de 1,4 gramas por 100 gramas de pão. A proposta, já contestada, tem como objectivo aproximar-nos dos níveis salinos dos países da UE. O argumento é que Portugal tem, actualmente, uma das maiores taxas de mortalidade por AVC da Europa, havendo provas de que a ingestão excessiva de sal pode provocar lesões directas no sistema cardiovascular e em outros órgãos, associando-se por esse facto ao aumento do risco de acidentes cardiovasculares e de mortalidade global.
Terça-feira, 03 Fevereiro
Casar com um muçulmano é um perigo?
“Pensem duas vezes antes de casarem com um muçulmano” – com estas declarações o cardeal patriarca de Lisboa, D. José Policarpo abriu uma brecha no diálogo inter-religioso. Há algum fundo de verdade neste conselho do Cardeal Patriarca? A religião islâmica é tendencialmente machista? Ou é apenas um preconceito do Ocidente cristão? O Irão definiu na sua constituição que a vida de uma mulher vale metade da de um homem e que não é crime bater o marido bater numa mulher? No Paquistão a mulher adúltera pode ser punida com a morte às mãos de um familiar. E em Portugal, há algum reflexo destas correntes islâmicas na comunidade que aqui vive?
Quarta-feira, 04 Fevereiro
Grandes obras públicas: solução ou endividamento?
É possível afirmar com rigor que as gerações futuras ficarão a braços com dívidas gigantescas por causa de obras como o aeroporto de Alcochete e o TGV? Os cálculos que apontam nesse sentido têm em conta o retorno que estes empreendimentos podem trazer para o país? Suspender o TGV implicaria perder 383 milhões de fundos comunitários e há quem insista na ideia de que da totalidade do projecto 45% será financiado por investidores privados. Quando se aproxima a abertura do concurso público internacional para construção e exploração do aeroporto, o SC traz o tema para debate. Como vamos pagar? Que vantagens teremos? De que forma irá mudar a organização do território.
Quinta-feira, 05 Fevereiro
Viciados em SMS
Um português envia em média 140 mensagens instantâneas por mês. Durante o terceiro trimestre do ano passado foram enviadas 6.000.000 de mensagens. O paradigma da comunicação entre os portugueses mudou radicalmente: menos contacto directo (mesmo por voz), comunicação abreviada e, sobretudo nos jovens, um novo léxico de abreviaturas e neologismos. Que influência tem esta forma de comunicação nas relações inter-pessoais? E nos adolescentes em idade escolar? Afecta o seu desempenho? As explicações, sem SMS, no Sociedade Civil.
Sexta-feira, 06 Fevereiro
Saúde Infantil – guia para pais e educadores
Em casa ou na escola, tudo pode acontecer a uma criança: quedas, gripes, indisposições, alergias, alterações no sono, intoxicações alimentares, acidentes fatais ou apenas birras. No Sociedade Civil de hoje vamos elaborar uma lista exaustiva de conselhos práticos para pais e professores de forma a poderem lidar o melhor possível com os imprevistos.
As respostas serão dadas, como sempre, pelos especialistas mais indicados de cada área.
Teresa Basso
Av. A. A. Aguiar, 150F – 2.º Esq.
– 1050-021 Lisboa
Tel: 213805168
• Fax: 213805169
• Mov: 91 253 26 31

Boletim Semanal de Informações ao MAP

Publicado em Diário da República
― Despacho n.º 2285/2009. D.R. n.º 11, Série II de 2009-01-16, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da EducaçãoEstabelece o regime de exame do nível de iniciação das disciplinas de Inglês e Francês do ensino secundário.
― Despacho (extracto) n.º 2441/2009. D.R. n.º 12, Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho do Porto pela Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM).
― Despacho (extracto) n.º 2442/2009. D.R. n.º 12, Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho de Barcelos pelo Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.
― Despacho (extracto) n.º 2443/2009. D.R. n.º 12, Série II de 2009-01-19, dos Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação ― Agência Nacional para a Qualificação, I. P.Extinção do Centro Novas Oportunidades promovido no concelho de Santo Tirso pelo CITEX - Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil.
― Despacho n.º 2444/2009. D.R. n.º 12, Série II de 2009-01-19, do Ministério da Educação ― Gabinete da MinistraDelegação de competências no Secretário de Estado da Educação, Doutor Valter Vitorino Lemos, para decidir acerca dos assuntos relativos à equipa de projecto, abreviadamente designada por REDESCOLAR. ― Portaria n.º 52/2009. D.R. n.º 13, Série I de 2009-01-20, dos Ministérios das Finanças e da Administração Pública e da EducaçãoAltera a Portaria n.º 356/2007, de 30 de Março, que estabelece a estrutura nuclear do Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação e as competências das respectivas unidades orgânicas. ― Despacho n.º 2563/2009. D.R. n.º 13, Série II de 2009-01-20, do Ministério das Finanças e da Administração Pública ― Gabinete do MinistroTabelas de retenção no continente para 2009.
― Despacho n.º 2609/2009. D.R. n.º 13, Série II de 2009-01-20, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da EducaçãoDefine a estrutura dos centros de formação de associações de escolas e a respectiva afectação de recursos humanos e financeiros.
― Declaração de rectificação n.º 137/2009. D.R. n.º 13, Série II de 2009-01-20, do Ministério da Educação ― Gabinete do Secretário de Estado da Educação Rectificação do despacho n.º 17 932/2008, de 24 de Junho.
― Declaração de rectificação n.º 138/2009. D.R. n.º 13, Série II de 200-01-20, do Ministério da Educação - Gabinete do Secretário de Estado da Educação Rectificação do despacho n.º 18 041/2008, de 24 de Junho.
― Portaria n.º 57/2009. D.R. n.º 14, Série I de 2009-01-21, dos Ministérios da Economia e da Inovação, do Trabalho e da Solidariedade Social e da EducaçãoRegula as condições de acesso, de organização e funcionamento, bem como a avaliação e certificação das aprendizagens dos cursos de técnicas de cozinha/pastelaria, de técnicas de serviço de restauração e bebidas e de operações turísticas e hoteleiras, integrados na oferta formativa promovida pelo Turismo de Portugal, I. P., ministrados pelas escolas de hotelaria e turismo.
― Despacho n.º 2869/2009. D.R. n.º 15, Série II de 2009-01-22, do Ministério da Educação ― Gabinete da Ministra
Alteração ao despacho n.º 17 931/2008, de 23 de Junho.Calendário Escolar. ― Portaria n.º 83-A/2009. D.R. n.º 15, Suplemento, Série I de 2009-01-22, do Ministério das Finanças e da Administração PúblicaRegulamenta a tramitação do procedimento concursal nos termos do n.º 2 do artigo 54.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro (LVCR).
― Despacho n.º 3006/2009. D.R. n.º 16, Série II de 2009-01-23, do Ministério da Educação ― Gabinete da Ministra
Altera e republica o anexo XVI ao despacho n.º 16 872/2008, de 7 de Abril, que aprova os modelos de impressos das fichas de auto-avaliação e avaliação do desempenho do pessoal docente, bem como as ponderações dos parâmetros classificativos constantes das fichas de avaliação. Para publicação em Diário da República
― Despacho do Gabinete do Secretário de Estado da EducaçãoDefine a calendarização relativa à realização das provas de exames nacionais e dos exames de equivalência à frequência dos ensinos básico e secundário. Informações Gerais
― Manuais escolares em avaliação ascendem a 118O Ministério da Educação tem em curso a avaliação de 118 manuais escolares.
Para mais informações: http://www.min-edu.pt/np3/3107.html
― Concurso de Professores 2009/2010 ― Direcção Regional de Educação dos Açores.Encontra-se disponível na página da Direcção Regional de Educação dos Açores, toda a informação para o concurso deProfessores 2009/2010.
Para mais informações: http://concursopessoaldocente.azores.gov.pt/ ― Formação em Avaliação da Expressão Oral no Ensino Secundário ― Línguas Estrangeiras - 2009
Está a decorrer, até 10 de Fevereiro, o período extraordinário de apresentação de candidaturas para a frequência da acção de formação de avaliação da expressão oral em ALEMÃO, que irá decorrer entre 17 e 20 de Fevereiro nas instalações do GAVE.
Para mais informações: www.gave.min-edu.pt/
― Ano Lectivo de 2009/2010: Períodos de apreciação, selecção e adopção de manuais escolaresInicia-se no dia 4 de Maio de 2009 o período de apreciação, selecção e adopção de manuais escolares para o ano lectivo de 2009/2010.
Para mais informações: www.dgidc.min-edu.pt/ ― TI 6.11 e 9.6.11
– Programas Integrados de Promoção do Sucesso Educativo – Abertura de CandidaturasIrá decorrer entre os dias 20 de Janeiro e 20 de Fevereiro de 2009, o período para apresentação de candidaturas ao POPH, para as Tipologias 6.11 e 9.6.11, destinado a apoiar as intervenções no âmbito dos Programas Integrados de Promoção do Sucesso Educativo.
Para mais informações: http://www.poph.qren.pt/
― Consulta Publica dos Programas de Língua Portuguesa para o Ensino Básico
O projecto de Programas de Língua Portuguesa para o Ensino Básico (1.º, 2.º e 3.º ciclos) encontra-se em consulta pública.Para mais informações: http://www.dgidc.min-edu.pt/ ― Relançamento do Programa dos Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP 2)Os novos agrupamentos que passam a integrar o Programa TEIP 2 devem formalizar a sua candidatura até ao dia 10 de Fevereiro.
Para mais informações: http://www.dgidc.min-edu.pt/
― 8.a edição do MONSTRA ― Festival de Animação de LisboaA 8.ª edição do MONSTRA ― Festival de Animação de Lisboa decorrerá entre 9 e 15 de Março de 2009.
Para mais informações: http://www.dgidc.min-edu.pt/
― Premio Nacional de Literatura Juvenil Ferreira de Castro
A associação do prémio nacional de literatura juvenil Ferreira de Castro leva a efeito a 33.ª edição deste prémio.
Para mais informações: http://www.dgidc.min-edu.pt/
― Escola Secundaria de Vilela no Parlamento Europeu
A Escola Secundária de Vilela, em Paredes, participou na primeira Sessão Euroscola de 2009 e alcançou, através da prestação da aluna Tânia Gomes, o 1º lugar no Concurso Eurogame.Para mais informações: http://www.dren.min-edu.pt/
― ME lança avaliação externa sobre a implementação do novo diploma da Educação Especial
O Ministério da Educação (ME) convidou uma equipa de especialistas na área da Educação Especial a concretizar um projecto de avaliação da implementação do Decreto - Lei n.º 3/2008, que define os apoios especializados a prestar nos diversos níveis de ensino para dar respostas adequadas aos alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente.
Para mais informações: http://www.min-edu.pt/np3/3140.html
― Avaliação do desempenho dos coordenadores de bibliotecaA Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) publicou um esclarecimento relativo à aplicação do Decreto Regulamentar n. 1-A/2009 de 5 de Janeiro.
Para mais informações: www.rbe.min-edu.pt/ ― Curso Livre “No Tempo de D. João I”O Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa vai realizar, entre 3 de Março e 6 de Junho de 2009, o II Curso Livre intitulado “No Tempo de D. João I”.
Para mais informações: http://www2.fcsh.unl.pt/iem/
Fonte: Boletim CIREP, Ministério da Educação, Confap, Outros
Saudações Associativas

DOCUMENTOS DA APEE - AFGC

LIVROS NEE

Associação de Pais e Encarregados de Educação

RECOMENDAÇÕES DA GRIPE A

Video